“Não garanto que vá haver aumento de 1% em 2021”, diz ministra da Administração Pública

Porém, Alexandra Leitão garante que o congelamento de progressões da função pública “não está em cima da mesa”.

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública disse este sábado, em entrevista à “Antena 1” e ao “Jornal de Negócios”, que o congelamento das progressões na Administração Pública “não está em cima da mesa”.

No entanto, Alexandra Leitão alertou que essa hipótese não pode ser excluída “liminarmente” e dependerá sempre da evolução da situação económica no país. “Quando falei em rejeitar a austeridade o que quero dizer é exatamente isto: no momento em que a economia precisa de investimento e de rendimentos, até para que as pessoas possam dinamizar o consumo interno, não serão as primeiras medidas a privilegiar”, afirmou.

O mesmo acontece com a subida de 1% nos salários dos funcionários públicos, previsto para 2021. “Não garanto que vá haver [esse aumento]. “Os salários não são a única forma de valorizar as carreiras da AP. O facto de, por exemplo, o Orçamento de Estado para 2020, que estamos a aplicar, não ter travões à aplicação de prémios de desempenho, que aconteceram em orçamentos anteriores”, explicou.

Em declarações à rádio e ao jornal de economia, a governante assegurou que o Governo está disponível para negociar com os sindicatos outras medidas/aspetos de conciliação, que podem envolver o teletrabalho, jornadas contínuas, formação, entre outros.

Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários