Não matem a melga

Porque é que alguém resolve fazer dinheiro a roubar insetos? Bem, olhando para o nosso País, roubar um banco não vale a pena, com sorte o cofre ainda tem alguns insetos, mas nunca a valerem 50 mil euros senão o dono do banco já os tinha vendido.

Nos EUA, mais propriamente em Philadelphia, ladrões assaltaram o Philadelphedia Insectarium e roubaram cerca de 7.000 insetos, entre aranhas, gafanhotos, percevejos e outros animais, mas não foi para fazer a vida negra a ninguém, nem a nenhum ministro, foi para vender. E se estão a pensar quem é que compra insetos, fiquem a saber que há tarados para tudo e por tudo, pois estima-se que o roubo tenha valido entre 40 e 50 mil dólares. O museu, esse, está inconsolável pois perdeu quase 90% do seu stock (o que terão os ladrões deixado para trás? O Brazilian Treehopper, que nem dá para acreditar o que parece?). E, pior ainda, tem agora pouco tempo para os repor e preparar-se para a Odditties Exibition, que realiza em Novembro todos os anos. Sim, este roubo não é nenhuma fake news, é mesmo verdade, não algo que só sai no jornal de uma cidade do Missouri, cujo nome (do jornal) os habitantes do lugar querem fazer mudar, pois não é nada menos que Uranus Examiner. Pois, não sei o que é pior, se o roubo dos insetos, se este notável nome de jornal.
Porque é que alguém resolve fazer dinheiro a roubar insetos? Bem, olhando para o nosso País, roubar um banco não vale a pena, com sorte o cofre ainda tem alguns insetos, mas nunca a valerem 50 mil euros senão o dono do banco já os tinha vendido. E tentar fazer como todos, ir buscar dinheiro ao Estado, não dá quando o estado ainda está mais endividado que os contribuintes, e onde os insetos só têm duas pernas. Para comer? Isto pode ter sido uma manobra dos chineses, que aliciaram os ladrões e tratam da comidinha ao mesmo tempo que irritam o Trump, furando embargos e tarifas. No fim de contas, até o Ikea já vende hambúrgueres de insetos, chamando-lhe a comida do futuro.
Claro que podem ter roubado os insetos para os soltar num ministério. Se fosse cá, seria no das finanças: fazer aquela malta toda coçar-se é uma boa vingança pelo inferno que nos fazem passar. Aliás, um dos animais roubados é uma aranha venenosa, que poderia ficar guardada para aquele cujo nome não deve ser pronunciado mas que vocês sabem quem é e preside ao Eurogrupo, embora seja mais provável que a aranha tivesse uma morte lenta e dolorosa, o que irritaria o PAN e seria o fim da coligação, nem com DDT o Dr. Costa salvava a coisa. Assim sendo, termino com a minha recomendação aos senhores ministros e ao PS: façam um bom stock de papel pega-mosca, para o caso de alguém querer cá fazer-lhes a vida negra com “bugs”; cada um tem que viver com as melgas que chamou. Mesmo que não venham a precisar, podem usar o papel para manter colada a geringonça.

Recomendadas

Francisco Guerreiro: A vida do primeiro eurodeputado do PAN em Bruxelas

Em 2014 candidatou-se às eleições europeias pela primeira vez. Cinco anos depois, torna-se o primeiro eurodeputado eleito pelo PAN. Conheça o percurso de quem quer ver a Europa muito mais atenta ao clima e aos direitos dos animais.

Ken Hughes: “A IA não é o futuro, mas sim o presente silencioso”

Ken Hughes, um dos maiores especialistas mundiais em novas tendências de consumo, veio esta semana ao congresso da Associação Portuguesa de Centros Comerciais. Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, levanta o véu sobre um futuro tão aterrorizador quanto fascinante, com a inteligência artificial a mandar nas compras de casa. O amanhã já cá anda, meio escondido.

Edmund Phelps: “Durmo melhor à noite por saber que é a Fed a decidir a taxa de juro”

Nobel da Economia de 2006 elogia o banco centralnorte-americano por não ceder a pressões do poder políticoe diz que nunca assistiu a tanta incerteza na Europa como atualmente.
Comentários