“Não podemos continuar a basear a competitividade da economia em baixos salários”, diz ministro da Economia

O ministro do Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, defende que é necessário haver uma valorização salarial acima da média dos últimos anos, acompanhada por um maior investimento em inovação e na qualificação dos trabalhadores.

O ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, intervém durante a sua audição perante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no âmbito das audiências sobre o Orçamento do Estado (OE) para 2018, na Assembleia da República, em Lisboa, 16 de novembro de 2017. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O ministro do Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, afirmou esta terça-feira que a economia portuguesa não deve continuar a basear-se em “baixos salários e baixos custos”. Pedro Siza Vieira defende que é necessário haver uma valorização salarial acima da média dos últimos anos, acompanhada por um maior investimento em inovação e na qualificação dos trabalhadores.

“Um dos fatores mais críticos da nossa produtividade é o trabalho. Por isso, queremos que as empresas possam comprometer-se, em sede de negociação coletiva e com a liberdade que ela oferece às empresas e sindicatos, poder haver uma valorização maior dos salários, acima da tendência que tem havido nos últimos tempos”, afirmou o ministro, à entrada para a reunião da concertação social.

Pedro Siza Vieira defende que, só fazendo crescer a produtividade e o rendimento, é que o país pode caminhar rumo ao objetivo definido para esta legislatura que é o de “fazer convergir com a União Europeia em matéria do peso dos salários no Produto Interno Bruto (PIB)”.

“Aquilo que desejamos é que os salários em Portugal possam crescer acima daquilo que é a soma da inflação e da produtividade, para podermos caminhar para uma mais justa repartição dos salários no PIB. Isso tem várias componentes. Temos de conseguir fazer subir os salários médios e os salários medianos de forma a que também valoriza os trabalhadores mais qualificados e mais jovens”, indica.

O ministro disse ainda que os recursos humanos qualificados são hoje “um dos fatores mais críticos para o crescimento da produtividade e competitividade” em Portugal. “É importante conseguirmos atrair e criar condições para termos um trabalho mais qualificado em Portugal”.

Pedro Siza Vieira recusou-se a comentar as propostas apresentadas pelos sindicatos e patrões, mas sublinhou que é da vontade do Governo, que haja “um compromisso de, em sede de negociação coletiva, em cada setor e quase em cada empresa, caminhar para a valorização dos salários”. “Ao mesmo tempo, queremos ter políticas públicas que façam aumentar o crescimento da produtividade em toda a economia e em todos os setores”, acrescentou.

O salário mínimo vai aumentar dos atuais 600 euros para 635 euros a partir de um de janeiro do próximo ano. O aumento proposto será de um quinto dos 150 euros de acréscimo salarial que o Governo pretende para o salário mínimo nacional nos próximos quatro anos, a fixar nos 750 euros em 2023.

Questionado sobre o impacto que o aumento dos salários pode ser setores, como o têxtil e do calçado, que já vieram alertar para o risco de falência de algumas empresas, o ministro garante que o Governo irá apoiar “toda a economia, no sentido do crescimento da produtividade”.

“Não podemos continuar a basear a competitividade da nossa economia nos baixos salários e nos baixos custos, mas sim na inovação e na qualificação das pessoas”, sublinhou.

Ler mais
Recomendadas

André Ventura reeleito presidente do Chega com 97,3% dos votos dos militantes

Depois de ser conhecido o resultado da votação interna, André Ventura reafirmou que o PSD não poderá regressar ao poder sem o Chega.

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

Rio admite dificuldade de captar mulheres para a vida política e para as autárquicas

Num vídeo pré-gravado de cerca de três minutos transmitido via redes sociais no encerramento da 5.ª Academia de Formação Política para Mulheres do PSD, Rio saudou este tipo de iniciativas, em especial dirigida ao público feminino.
Comentários