Premium“Não vejo o mercado imobiliário em Portugal morto”, garante CEO da Krest Real Estate

Investidor belga confirma que há “muitos grupos a investir de forma massiva no país”. Arrendamento de longo prazo é a aposta.

“Não vejo o mercado imobiliário em Portugal morto, de todo”. A afirmação é de Claude Kandiyoti, em declarações ao Jornal Económico (JE), quando questionado sobre quando poderá o setor começar a reagir à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. O CEO da Krest Real Estate assume que não sabe como vai ser o futuro, mas que atualmente “ainda há muito dinheiro e muitos grupos a investir de forma massiva no país”.

O problema para o investidor de origem belga está no sistema bancário que não se mostra disposto a grandes financiamentos para o desenvolvimento do setor, mas, por outro lado, financiam pessoas que querem comprar casa ou investir no imobiliário, mas não para o desenvolver. “Temos de encontrar um equilíbrio, no entanto não sei como será feito”, realça.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Luís Tavares Bravo: “Evergrande? Tem que se colocar em perspetiva o que é o perigo de contágio na China e a nível global”

É o segundo maior grupo imobiliário na China em termos de vendas, num país em que este setor tem um peso de 18% no PIB. Com dívidas superiores a 300 mil milhões de euros, que efeitos na economia poderá ter a eventual queda da Evergrande? Luís Tavares Bravo, economista e diretor de investment advisory do Bison Bank, analisa as prováveis consequências desta queda nesta “Fast Talk” da JE TV.

Evergrande: como o gigante chinês ameaça a economia global

É o segundo maior grupo imobiliário na China em termos de vendas. Emprega quase 200 mil trabalhadores mas movimenta cerca de 4 milhões de pessoas e 70 mil investidores. Estima-se que a empresa tenha dívidas superiores a 300 mil milhões de dólares, o que faz da Evergrande uma das empresas mais endividadas do mundo.

Fim das moratórias. Três formas de evitar o incumprimento

A partir de outubro deste ano ou no máximo em janeiro de 2022 muitas famílias vão recomeçar os pagamentos de crédito. Pedir ajuda ao banco ou rever as suas despesas são algumas das medidas que podem evitar o incumprimento.
Comentários