Premium“Não vejo o mercado imobiliário em Portugal morto”, garante CEO da Krest Real Estate

Investidor belga confirma que há “muitos grupos a investir de forma massiva no país”. Arrendamento de longo prazo é a aposta.

“Não vejo o mercado imobiliário em Portugal morto, de todo”. A afirmação é de Claude Kandiyoti, em declarações ao Jornal Económico (JE), quando questionado sobre quando poderá o setor começar a reagir à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. O CEO da Krest Real Estate assume que não sabe como vai ser o futuro, mas que atualmente “ainda há muito dinheiro e muitos grupos a investir de forma massiva no país”.

O problema para o investidor de origem belga está no sistema bancário que não se mostra disposto a grandes financiamentos para o desenvolvimento do setor, mas, por outro lado, financiam pessoas que querem comprar casa ou investir no imobiliário, mas não para o desenvolver. “Temos de encontrar um equilíbrio, no entanto não sei como será feito”, realça.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Lisboa e Porto são as cidades portuguesas mais atrativas para emigrantes comprarem casa

Por sua vez, os distritos que menos despertam interesse são a Ilha Terceira, com 0,2% das pesquisas, Bragança e Ilha de São Miguel com 0,6%, Guarda com 0,9%, Portalegre com 1%, Beja com 1,2%, Vila Real, Castelo Branco e Évora com 1,5%.

Promotora francesa investe 26 milhões de euros em projeto no Dafundo

A construção do projeto ‘Turquesa’ arranca entre julho e setembro deste ano e a sua conclusão está prevista para o segundo trimestre de 2023. Espaço tem uma área bruta de construção de 6.576 m2 e um total de 61 apartamentos, com tipologias que vão do T0 a T4+1.

Empresa dona do Zmar está insolvente, mas unidade turística vai reabrir

O Zmar pertence à Multiparques a Céu Aberto – Campismo e Caravanismo em Parques, S.A., com sede no concelho de Odemira, no distrito de Beja. A empresa foi declarada insolvente pelo Juízo de Competência Genérica de Odemira a 10 de março.
Comentários