Premium“Não vejo o mercado imobiliário em Portugal morto”, garante CEO da Krest Real Estate

Investidor belga confirma que há “muitos grupos a investir de forma massiva no país”. Arrendamento de longo prazo é a aposta.

“Não vejo o mercado imobiliário em Portugal morto, de todo”. A afirmação é de Claude Kandiyoti, em declarações ao Jornal Económico (JE), quando questionado sobre quando poderá o setor começar a reagir à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. O CEO da Krest Real Estate assume que não sabe como vai ser o futuro, mas que atualmente “ainda há muito dinheiro e muitos grupos a investir de forma massiva no país”.

O problema para o investidor de origem belga está no sistema bancário que não se mostra disposto a grandes financiamentos para o desenvolvimento do setor, mas, por outro lado, financiam pessoas que querem comprar casa ou investir no imobiliário, mas não para o desenvolver. “Temos de encontrar um equilíbrio, no entanto não sei como será feito”, realça.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Empresas do sector imobiliário dizem que novo confinamento “é uma tragédia”

Luís Lima acredita que ao contrário do primeiro confinamento, “desta vez será muito difícil as imobiliárias conseguirem sobreviver, uma vez que o fundo de maneio existente foi-se esgotando ao longo do ano”.

Por onde devemos começar no Investimento Imobiliário?

Por onde devemos começar no investimento imobiliário? João Raposo, administrador do Grupo Reorganiza, explica ao detalhe quais os passos que deve dar se está a equacionar este tipo de investimento.

Preços das casas subiram 4,9% na zona euro no terceiro trimestre

Em relação ao trimestre anterior, os maiores aumentos foram verificados na Hungria (5,2%,), Dinamarca (4,2%) e Letónia (3,7%), enquanto as descidas mais significativas foram observadas no Chipre (4,8%) , Roménia (2,6%), Itália (2,5%) e Croácia (0,6%).
Comentários