“Não vou negociar um adiamento”. Boris Johnson recusa pedir adiamento do Brexit

“Espero que [os deputados] mudem de ideias e apoiem este acordo em números esmagadores”, afirmou o primeiro-ministro britânico.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, recusou pedir um adiamento do Brexit previsto na lei, após ter sido aprovada uma proposta no parlamento para suspender o voto sobre o acordo de saída.

“Não vou negociar um adiamento, nem a lei me obriga a fazê-lo”, alegou, acrescentando que “mais um adiamento seria mau para este país ou para União Europeia e mau para a democracia”.

A “lei Benn” determina que o primeiro-ministro tenha de escrever uma carta até às 23h00 de hoje, a solicitar uma extensão do processo de saída da UE por três meses, até 31 de janeiro, se a Câmara dos Comuns não aprovar um acordo ou autorizar uma saída sem acordo até 19 de outubro.

Boris Johnson reagia à aprovação de uma proposta do antigo deputado conservador, agora independente, Oliver Letwin, para suspender os efeitos do acordo até ser aprovada no parlamento britânico a legislação que implementa o acordo de saída.

Assim, o governo britânico decidiu retirar a proposta para ser votado o novo acordo para o Brexit negociado pelo primeiro-ministro, mas pretende apresentar na próxima semana a proposta de lei para regulamentar o acordo para conseguir sair da UE até 31 de outubro.

“Espero que [os deputados] mudem de ideias e apoiem este acordo em números esmagadores”, afirmou.

A proposta foi aprovada por 322 votos a favor e 306 votos contra graças ao apoio do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte e de antigos deputados conservadores atualmente a exercer como independentes.

A iniciativa foi apoiada pelo Partido Trabalhista e pelos outros países da oposição, apesar dos pedidos do governo para ser retirada.

O parlamento encontra-se reunido numa sessão extraordinária para debater e aprovar o acordo revisto para a Saída do Reino Unido da União Europeia, cujas negociações foram concluídas na quinta-feira.

As principais alterações incidiram no protocolo relativo à Irlanda do Norte, removendo o mecanismo de salvaguarda para evitar uma fronteira física com a vizinha República da Irlanda designado por backstop.

O novo protocolo mantém a província britânica no território aduaneiro do Reino Unido, apesar de ficar alinhada com leis da UE que facilitam o movimento de mercadorias na ilha inteira.

Este modelo foi criticado pelo DUP, que anunciou também a sua determinação em votar contra o acordo.

Na Declaração Política que acompanha o acordo e que contém orientações para as futuras relações entre o Reino Unido e UE, foram feitas alterações que substituem a ambição de criar uma “zona de comércio livre” por negociar um “acordo de comércio livre”.

Ler mais
Relacionadas

Governo britânico forçado a pedir adiamento do Brexit até ser regulamentado acordo

A Câmara dos Comuns votou este sábado a favor de uma proposta que força o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, a pedir um adiamento do Brexit até ser aprovada no parlamento britânico a legislação que regulamente o acordo de saída.

Detalhes de um divórcio. Quatro pontos fundamentais para compreender o acordo de Brexit

Para perceber o que representa a saída do Reino Unido da União Europeia, há que entender os quatro pontos fundamentais em que se baseia o acordo de saída.
Recomendadas

Da manipulação do vírus pela imprensa ao comum mortal. As frases polémicas de Jair Bolsonaro

Desde janeiro, quando o vírus se começou a propagar pelo mundo e pelo Brasil, que o presidente brasileiro desvalorizou a crise sanitária do novo coronavírus, chegando a atacar governadores e ministros da Saúde por terem ideias contrárias às suas.
TAP Portugal

TAP. Governo diz que está a ser avaliada hipótese da companhia aérea fazer “outro tipo de rotas”

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, explica que a possibilidade ganhou força devido às alterações no mercado devido à pandemia da Covid-19 e ao aumento da frota da empresa que está “inativa”.

EUA vão pagar 1,4 mil milhões de euros para Novavax desenvolver 100 milhões de vacinas da Covid-19

O governo dos EUA decidiu apostar e confiar na Novavax, uma empresa do estado do Maryland que nunca colocou um produto no mercado.
Comentários