PremiumNasdaq: O imparável índice que avança à alta velocidade tecnológica

A aceleração da transição digital em tempos de pandemia, aliada ao apetite dos investidores pelo risco, tem levado o Nasdaq Composite a quebrar recordes sucessivos. Gigantes tecnológicas como a Apple, a Amazon, a Google e a Microsoft dominam um ‘rally’ que os analistas dizem que não deverá travar nos próximos tempos.

Um ganho de 23,35% este ano? ‘Check’ . Um disparo de mais de 40% nos últimos 12 meses? Confirmado. A barreira dos 11 mil pontos ultrapassada? Afirmativo. Se o Nasdaq Composite fosse um atleta teria de ser o Usain Bolt, se fosse um futebolista seria o nosso CR7, se fosse um comboio teria de ser um TGV.

O índice bolsista norte-americano tem ultrapassado todas as metas e barreiras a uma velocidade estonteante, deixando para trás os principais pares mundiais, incluindo os compatriotas S&P 500 (subida de 3,33% este ano) e Dow Jones Industrial Average (queda de 4,41%), e o europeu Euro Stoxx 50 (tombo de 13,5%). O tecnológico Nasdaq tem sido o expoente máximo de como as bolsas estão a recuperar do ‘crash’ de março, quando a repentina realização que a pandemia de Covid-19 ia mesmo chegar ao Ocidente e obrigar a um paralizante e economicamente penalizador confinamento levou os investidores a carregar no botão do pânico, mais concretamente o botão ‘vender’.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumLuciano Huck: Mais uma estrela televisiva que não consegue resistir a cair no caldeirão da política

O popular apresentador da Globo alimenta há três anos o tabu da disponibilidade para se candidatar à presidência do Brasil, podendo enfrentar Jair Bolsonaro em 2022. Um almoço com Sérgio Moro e vários apoios nas eleições municipais em curso vieram aumentar as especulações.

PremiumCovid-19: O que esperar da vida depois das vacinas

Notícias animadoras nos ensaios clínicos das vacinas contra a Covid-19 trazem esperança de retoma económica, mas há razões para confinar o excesso de otimismo. Sendo a vacinação um processo de logística complicada e no qual demorará até haver imunidade de grupo, ninguém espera que o turismo volte tão cedo aos níveis pré-Covid. Certo está que o teletrabalho vai continuar a ser mais comum do que antes, mas as opiniões dividem-se quanto à cicatrização da crise.

PremiumA vacina e as bolsas: Braço de ferro entre a injeção de otimismo e a realidade imediata

Após a reação eufórica e ganhos nas bolsas à notícia da eficácia de 90% na vacina da Pfizer e da BioNTech na semana passada, os resultados dos testes da Moderna foram recebidos com mais contenção, apesar de uma eficácia superior e vantagens em termos de armazenamento. O efeito da eleição de Joe Biden para a Casa Branca, que tinha ajudado aos ganhos na semana passada, já está dilúido, tal como está o factor surpresa sobre a vacina. Em sentido contrário, o aumento do número de infeções e mortes em várias regiões deve levar a mais restrições e danos económicos permanentes, preocupações que se sobrepõem ao otimismo sobre a vacina.
Comentários