Navigator em risco de perder 45 milhões de euros de lucro devido a taxa nos EUA

Guerra comercial chegou ao papel português. O Departamento do Comércio decidiu aplicar uma taxa de 37%, quando a esperada era 0%, numa decisão que a papeleira considera “intencional” e que vai contestar.

A Navigator poderá ver o lucro líquido deste ano reduzido em 45 milhões de euros e o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) em 66 milhões de euros devido à atualização da taxa anti-dumping pelos EUA. Segundo as contas da própria empresa, à taxa de câmbio atual, este é o impacto estimado de uma decisão “intencional” com “o objetivo de aumentar a taxa final sobre vendas de papel Navigator para os EUA”.

Os Estados Unidos decidiram aplicaram uma taxa anti-dumping de 37,34% retroativa ao papel vendido pela portuguesa Navigator entre agosto de 2015 e fevereiro de 2017. Durante esse período, a taxa provisória e sob revisão era de 0%.

“Esta alteração constitui uma modificação substancial da taxa anterior e, tendo em consideração que as autoridades norte-americanas não solicitaram informações adicionais nem se verificaram quaisquer alterações de circunstâncias, acreditamos que esta decisão reflete uma mudança intencional dos pressupostos assumidos pelo Departamento de Comércio com o objetivo de aumentar a taxa final sobre vendas de papel Navigator para os EUA”, afirmou a empresa, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O processo teve início em fevereiro de 2015, seguindo-se a determinação de uma taxa de depósito provisória de 29,53% em agosto desse ano, com base numa avaliação preliminar. Na avaliação final, de janeiro de 2016, a taxa foi reduzida para 7,8% pela correção de um erro administrativo, sendo que essa taxa esteve em vigor até à presente data.

Taxas entram em vigor enquanto recurso é analisado

A Navigator garante ter sempre colaborado com as autoridades dos EUA e sublinhou continuar a defender que não existem fundamentos para “a aplicação de medidas desta natureza às vendas dos seus produtos nos Estados Unidos”.

A empresa liderada por Diogo Rodrigues de Silveira vai recorrer dessa decisão e interpor uma providência cautelar para impedir a Alfândega dos EUA de aplicar a nova taxa sobre as importações efetuadas durante o primeiro período de revisão.

Apesar do recurso, a nova taxa será aplicável a todas as importações depois da data de publicação da decisão, que está prevista para dentro de aproximadamente uma semana. A impugnação judicial pela Navigator irá também cobrir esta medida.

“A Navigator recorrerá a todos os meios processuais disponíveis e está convencida que vai conseguir demonstrar perante os tribunais norte-americanos que a taxa acima mencionada para o período em causa é totalmente injustificada e, consequentemente, fazer com que o Departamento de Comércio reverta esta medida administrativa”, referiu a empresa.

Novo rombo nas contas da Navigator

A papeleira portuguesa desenvolve atividades comerciais nos EUA há 18 anos, especialmente no segmento de papel premium, com preços médios mais de 15% acima do benchmark do mercado norte-americano. “A Navigator vai continuar a defender o direito de fornecer à sua leal clientela nos EUA as marcas de elevada qualidade que esta tem constantemente exigido”, garantiu.

No ano passado, o lucro da Navigator já tinha caído (4,4% em comparação com 2016), para 207,7 milhões de euros devido à subida dos impostos, que mais do que quintuplicaram. Este ano estava a ser de recuperação, mas a empresa enfrenta agora um novo desafio com a guerra comercial a chegar ao papel português.

No primeiro semestre de 2018, o volume de negócios totalizou 817 milhões de euros, 0,5% acima do semestre homólogo, o EBITDA cresceu 14% para 226 milhões de euros e o resultado líquido aumentou 24% para 119 milhões de euros, impulsionados pelo aumento dos preços da pasta, papel e tissue.

No entanto, já na altura de apresentação de resultados, a papeleira liderada por Diogo Rodrigues de Silveira já tinha alertado para os riscos da guerra comercial.

“As perspectivas para o sector da pasta mantiveram-se positivas ao longo do primeiro semestre de 2018, verificando-se uma pressão em alta no preço durante este período”, referiu a empresa, em julho. “A Navigator, que vende os seus produtos em cerca de 130 geografias e tem as suas vendas expostas à evolução de diferentes moedas internacionais, em particular do dólar norte-americano, não pode deixar de ver com alguma preocupação estes recentes desenvolvimentos [das tensões comerciais]”.

Ler mais

Relacionadas

EUA impõem taxa de 37% à venda de papel português. Navigator vai contestar

À taxa de câmbio atual, a taxa terá um impacto estimado de aproximadamente 66 milhões de euros no EBITDA – lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações – da Navigator e de 45 milhões nos lucros líquidos deste ano.

Guerra comercial agudiza receios de abrandamento económico mundial

Na opinião de diversos analistas e economistas, a intensificação da guerra comercial pode resultar numa subida dos preços nos EUA, numa diminuição das exportações e numa economia mais débil no próximo ano, com um abrandamento que pode chegar ao meio ponto percentual e levar à perda de 700.000 empregos.
Recomendadas

Lay Off: O subsídio de alimentação está incluído na remuneração normal ilíquida?

Rita Garcia Pereira, advogada e mestrada em direito do trabalho, analisou para o “Jornal Económico” algumas das questões mais prementes para os trabalhadores que forem alvo de ‘lay off’.

BPI permite moratória nos créditos não abrangidos por lei do Governo

O banco permite ainda que os clientes com crédito pessoal e ao financiamento automóvel tenham carência de capital de seis meses.

Transportes de mercadorias apelam a mais medidas do Governo para apoio ao setor

A clarificação das linhas de crédito para as empresas transitárias e o pagamento dos direitos junto da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT); a injeção direta de capital nas empresas; e a articulação conjunta para conseguir fazer chegar a Portugal o equipamento médico proveniente de outros países, abrindo, para isso, ligações aéreas em cargueiros ou aviões de passageiros exclusivamente com carga são algumas das medidas reivindicadas pela APAT – Associação dos Transitários de Portugal.
Comentários