Negociações entre PSD e Chega significariam rutura com cultura social-democrata, considera Secretário-geral adjunto do PS

Na quinta-feira, o presidente do PSD admitiu conversações com o Chega com vista a entendimentos eleitorais apenas se o partido evoluir “para uma posição mais moderada”, dizendo descartar essa possibilidade se esta força política “continuar numa linha de demagogia e populismo”.

Flickr/PS

O Secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro, considerou este sábado que eventuais negociações entre o PSD e o Chega significariam uma rutura dos sociais-democratas com a sua cultura, acusando Rui Rio de ter uma atitude de “condução política em contramão”.

Só uma atitude de “condução política em contramão no percurso da inovação social e económica pode justificar que o PSD esteja hoje já em fase de admitir poder vir a negociar com Chega. O que, a acontecer, significaria uma rutura do PSD com a sua cultura social-democrata”, acusa José Luís Carneiro, numa nota divulgada no final de uma visita ao mercado municipal de Leiria e futuro centro de incubação de empresas.

“Caso Rui Rio opte pela experiência de condução em contramão corre sério risco de colisão com a sua base eleitoral social-democrata”, acrescenta.

Na quinta-feira, o presidente do PSD admitiu conversações com o Chega com vista a entendimentos eleitorais apenas se o partido evoluir “para uma posição mais moderada”, dizendo descartar essa possibilidade se esta força política “continuar numa linha de demagogia e populismo”.

“Não depende do PSD, depende do Chega. Se o Chega evoluir de uma tal maneira que – embora seja um partido marcadamente de direita, em muitos casos de extrema-direita, muito longe de nós que estamos ao centro -, se o Chega evoluir para uma posição mais moderada, eu penso que as coisas se podem entender”, afirmou Rui Rio, em entrevista à RTP3.

Posteriormente, em comunicado, o líder do Chega, André Ventura, respondeu ao presidente do PSD afirmando que só aceita conversações com os sociais-democratas se Rui Rio fizer oposição “à séria” e deixar de ser “a dama de honor do Governo socialista”.

Na nota do PS, José Luís Carneiro acusa ainda o PSD de ter um “comportamento retrógrado”, que contrasta com a “visão empreendedora” dos socialistas e do Governo, considerando que os sociais-democratas têm chegado “atrasados e a más horas ao encontro com os ventos da História”.

Numa alusão às críticas do líder do PSD à estratégia do Governo para o hidrogénio, José Luís Carneiro acrescenta que, num momento em que o Portugal “está na dianteira do grupo dos países que apostam no hidrogénio para efeitos de descarbonização, num projeto essencialmente financiado por fundos comunitários”, os sociais-democratas voltam a chegar “tarde, a más horas e em contramão com o progresso”.

No debate do Estado da Nação, a 24 de julho, Rui Rio classificou o investimento na produção de hidrogénio como “projeto extremamente perigoso”, considerando que o país não tem “condições para aventuras nem para ideias megalómanas”.

Ler mais
Recomendadas

João Ferreira diz que intervenção de Presidente da República quanto aos trabalhadores tem sido “marcada pela indiferença”

Depois da sua reunião com a CGTP, João Ferreira apontou que a intervenção adequada tem de ter  “a valorização do trabalho e dos trabalhadores no cerne das preocupações e da intervenção do Presidente da República”.

Ex-ministro da Saúde defende que é preciso “agir depressa” em relação a testes rápidos

“Eu creio que, neste momento, é preciso nesse domínio ser ágil e agir depressa”, defendeu Adalberto Campos Fernandes, que foi ministro da Saúde entre 2015 e 2018.
Inês de Medeiros

Inês de Medeiros diz que declarações sobre bairro social foram descontextualizadas

A presidente da Câmara de Almada disse hoje que as suas afirmações sobre o Bairro Amarelo surgiram em resposta a uma pergunta feita pelo Bloco de Esquerda (BE), considerando que foram descontextualizadas devido ao “aproximar das eleições”.
Comentários