Negócios no Brasil com inteligência, alguma artificial

É com algum pesar que tenho assistido àquilo a que em português do brasil chamam um “enxugamento” grande dos executivos, e a uma taxa de desemprego crescente a este nível (C-Level), alguns com planos para sair do país, muitos deles para Portugal.

O Brasil é um país de extremos em vários domínios, da riqueza à educação, das políticas conservadoras e protecionistas à cultura alegre e acolhedora do seu povo.

São muitos os entraves ao investimento estrangeiro neste país, desde os riscos sociais, económicos e cambiais – que numa crise política sem precedentes são muito difíceis de estimar –  ao regime fiscal que é absolutamente inqualificável. Mesmo para nós, portugueses, em que o idioma é o mesmo (pese embora algumas diferenças assustadoras), em que a cultura é muito similar, e em que somos muito bem-recebidos e acarinhados (as piadas que contam sobre os portugueses não refletem a consideração que na maioria dos casos sentem por nós), não é fácil conseguir triunfar neste mercado.

É um país habituado a viver em crise e atravessa hoje uma das maiores de sempre. É verdade que tem uma economia muito peculiar com taxas de juro e de inflação gigantes, mas neste momento parece mais uma crise política que económica, já que os últimos números continuam positivos.

Do ponto de vista económico, aparentemente o futuro não se vislumbra tão assustador. Os resultados apontam para uma retoma e o Banco Central melhorou a previsão para o índice que mede o custo de vida no Brasil. Está mais otimista com a inflação e com a economia em 2017. Projetou um crescimento de 0,5% para este ano e um Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) abaixo de 4%. E para 2018, a instituição prevê uma inflação entre 3,9% e 4,5%.

O que significa que o mercado se descolou claramente da crise política e tem conseguido criar o seu caminho. O índice bolsista atinge valores próximos dos máximos históricos.

Ainda assim, algumas (poucas) empresas fecharam, as outras têm apostado em reorganizar-se quer no que respeita a processos e tecnologia, quer a pessoas.

É com algum pesar que tenho assistido àquilo a que em português do brasil chamam um “enxugamento” grande dos executivos, e a uma taxa de desemprego crescente a este nível (C-Level), alguns com planos para sair do país, muitos deles para Portugal.

O impacto destas perdas será, em minha opinião, significativo já que há poucos anos a falta de executivos de topo e de profissionais qualificados era apontada como uma das grandes lacunas do país, razão pela qual assistimos à importação em massa dessa capacidade intelectual, vários inclusive oriundos de Portugal.

Há igualmente uma tendência crescente em otimizar processos e tecnologia, em investir em automação e na externalização (terceirização como lhe chamam os nossos irmãos) de processos, pessoas, tecnologia e até da inteligência.

De facto, algumas das grandes empresas brasileiras estão a subcontratar o resultado, deixando o ónus da produtividade e da melhoria contínua do lado do outsourcer – um pouco à semelhança do que se está a fazer por esse mundo fora – sobretudo porque é hoje possível “terceirizar” inteligência artificial e incluir nos processos do dia-a-dia sistemas que através de regras de negócio, potenciados por uma capacidade para aprender e evoluir sem precedentes, são concebidos e calibrados para otimizar os resultados esperados

Tenho tido oportunidade de conhecer e inclusive participar em projetos muito avançados neste domínio, desde soluções de automação e inteligência artificial para integrar diferentes canais de contacto com o cliente (num paradigma omni channel), robots de cobrança com autonomia para renegociar a dívida, bem como projetos bem sucedidos de chatbots, numa área onde existem dezenas de empresas brasileiras com muita competência.

Em todo o caso, é minha convicção que nós portugueses conseguimos marcar a diferença em algumas destas áreas. E se é certo que as barreiras à entrada são gigantes, sobretudo no que respeita a questões processuais como exportar, criar uma empresa, conseguir um visto de trabalho ou até abrir uma conta bancária, também não é menos verdade que a maioria dos executivos brasileiros são excelentes profissionais, muito abertos à inovação e a projetos fáceis de testar, de retorno rápido e evidente.

É minha convicção que o resultado da exportação da nossa inteligência pessoal ou artificial é neste país/continente proporcional à dimensão do mercado e das suas empresas, da nossa satisfação, realização e remuneração.

O sucesso é conseguido normalmente fora da zona de conforto!

Recomendadas

Aprender a comprar online

A falta de literacia online é ainda um problema a resolver, que prejudica quem compra em sites duvidosos e assusta quem nunca comprou.

Sporting vs. Braga: o desaparecimento ou a emergência de (mais) um grande?

Discute-se hoje o encurtamento das distâncias entre SC Braga e Sporting CP. Será esta uma moda de curta duração ou uma tendência emergente? Estaremos perante um quarto grande ou deveremos deixar de colocar Sporting no lote dos três grandes, dadas as distâncias cada vez mais evidentes para SL Benfica e FC Porto?

Por uma nova ética republicana

A ética republicana deve ir muito além do que está na lei, sob pena de um dia o capitalismo e a própria democracia liberal soçobrarem sob o peso das muitas indignações e da falta de empatia e coesão social.
Comentários