Neurociências da Universidade de Coimbra ganham 3,9 milhões para coordenar rede europeia

A rede “Syn2Psy” vai apostar em 14 jovens cientistas para “investigar as alterações no desenvolvimento cerebral, plasticidade sináptica e na conectividade dos circuitos neuronais em doenças como autismo e esquizofrenia”, acrescenta.

O Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNBC) da Universidade de Coimbra recebeu 3,88 milhões de euros da Comissão Europeia para coordenar o projeto internacional “Syn2Psy”, uma rede europeia de formação avançada no estudo dos processos celulares e moleculares em doenças neuropsiquiátricas, anunciou esta terça-feira, 19 de junho, a instituição.

Em comunicado, o CNBC refere que este sistema internacional foi aprovado no âmbito das “Ações Marie Curie” do “Horizonte 2020” e que se trata do “único projeto liderado por uma instituição portuguesa num concurso internacional com mais de 1.600 candidaturas apresentadas”.

A rede “Syn2Psy” vai apostar em 14 jovens cientistas para “investigar as alterações no desenvolvimento cerebral, plasticidade sináptica e na conectividade dos circuitos neuronais em doenças como autismo e esquizofrenia”, acrescenta.

No comunicado, Ana Luísa Carvalho, coordenadora do projeto e docente no Departamento de Ciências da Vida da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, sublinha que “este estudo internacional contribuirá para identificar e sinalizar mecanismos celulares e moleculares associados a doenças neuropsiquiátricas e, a partir daí, abrir a possibilidade para o desenvolvimento de novas terapias”.

A equipa portuguesa conta com a participação dos investigadores Carlos Duarte, João Peça, Luísa Cortes, Paulo Pinheiro e Ramiro Almeida, do CNBC.

No consórcio participam também cientistas do Instituto do Cérebro e da Mente da École Polytechnique Fédérale de Lausanne (Suíça), do Instituto Interdisciplinar de Neurociências de Bordéus e do Instituto de Biologia Paris-Seine do Centre National de la Recherche Scientifique (França), do Centro de Fisiologia Integrativa da Universidade de Edimburgo e do Imperial College London (Reino Unido).

Ler mais
Relacionadas

Oftalmologista portuguesa distinguida pela segunda vez com prémio da Universidade de Harvard

A oftalmologista, que trabalha no Massachusetts Eye and Ear Hospital, viu o seu artigo premiado pelo seu caráter inovador e de maior contributo para o tratamento da degenerescência macular relacionada com a idade (DMI).

Unidades pediátricas para queimados necessárias no Norte e Centro, defende Ordem dos Médicos

José Miguel Guimarães considerou ainda essencial que, de uma vez por todas, os queimados, sobretudo os médios e grandes, sejam considerados como pessoas com doença crónica.

Universidade de Coimbra cria curso para estudar relação da China com lusofonia

A Faculdade de Economia de Coimbra (FEUC) acaba de criar um curso de formação avançada sobre a relação da China com os países de língua portuguesa.

7 universidades portuguesas entre as mil melhores do mundo

O World University Rankings de 2019 da QS assinala uma queda em quatro instituições face ao ano anterior. Na base da queda está por exemplo perda de reputação junto dos empregadores e o tamanho das turmas.
Recomendadas

PremiumPresidente do CRUP afirma que é necessário tornar o Ensino Superior prioridade

Em entrevista ao Jornal Económico, António Fontainhas Fernandes aponta os maiores problemas das universidades, como o rejuvenescimento da academia, ação social e alojamento para os estudantes, e avança com algumas soluções. Diz ainda que o OE2019 deve ser mais ambicioso.

PremiumEducação é o parente pobre de um orçamento expansionista

Os ministérios ligados diretamente à economia são aqueles que apresentam dotações para 2019 com maior crescimento. Todos os gabinetes contam com mais dinheiro, mas a Educação não consegue sequer absorver a inflação.

PremiumPropinas baixam 212 euros. Medida custa ao país 50 milhões

Manuel Heitor deixa a sua impressão digital no Orçamento de Estado para 2019 ao avançar a medida que baixa as propinas cobradas no ensino superior, que se encontravam congeladas desde 2016. O tecto máximo das propinas, atualmente, nos 1.068 euros cai para 856 euros, no ano letivo 2019/2020, o que representa uma redução exata de 212 euros por ano.
Comentários