REN: Cabo submarino entre Portugal e Marrocos “poderá fazer sentido”, mas não existem planos concretos

A interligação teria um custo estimado entre os 600 e os 700 milhões de euros e serviria para transportar eletricidade entre o Algarve e o norte de África.

A REN – Redes Energéticas Nacionais não tem planos em cima da mesa para construir um cabo submarino entre Portugal e Marrocos. Este cabo submarino serviria para transportar eletricidade entre os dois países, mas a companhia não tem nada fechado.

“Este tema tem sido analisado, poderá fazer sentido em algumas circunstâncias, mas neste momento não está prevista a sua execução”, disse ao Jornal Económico fonte oficial da REN.

“Apesar de não haver planos concretos o tema mantém-se atual e alvo de conversas na medida que esta interconexão aumentaria a redundância dos sistemas energéticos dos dois países e seria benéfico em termos económicos e financeiros para Marrocos e Portugal”, destaca a empresa liderada por Rodrigo Costa.

Esta interligação tem um custo estimado de 600 a 700 milhões de euros, a dividir por Portugal e Marrocos, com uma capacidade para 1.000 megawatts (MW).

A proposta foi inicialmente apresentada em 2016 durante o primeiro Governo de António Costa, tendo havido vários encontros entre responsáveis dos dois países.

Com vista à construção da infraestrutura, a REN e a sua homóloga marroquina promoveram a realização de um estudo técnico-económico.

O estudo devia ter sido apresentado inicialmente no início de 2019, mas o prazo derrapou.  O Orçamento do Estado para 2020 previa que fosse concluído até ao final desse ano, mas até hoje, as conclusões do estudo nunca foram divulgadas. O JE questionou a REN sobre o estudo e as conclusões, mas não obteve resposta.

Em maio de 2018, a REN anunciava que tinha 400 milhões de euros para realizar novos investimentos até 2021. Na altura, a empresa incluiu a interligação internacional com o norte de África entre os seus projetos.

A autoestrada submarina de eletricidade tinha uma extensão prevista de 250 quilómetros entre o Algarve e a costa marroquina, com a criação de subestações nos dois lados do Atlântico.

“Marrocos é mais uma hipótese”, destacou Rodrigo Costa na apresentação do plano estratégico da REN em maio de 2018, citado pelo “Negócios”.

O gestor apontou então que o cabo submarino iria custar entre “600 a 700 milhões” de euros. Este investimento seria dividido em metade com o parceiro marroquino e os custos para a REN poderiam descer para os 25% se o investimento do lado português fosse feito em conjunto com outras empresas.

A ideia inicial deste projeto era exportar a eletricidade produzida a partir de fontes renováveis em Portugal para o país do norte de África. Mas várias alarmes começaram a soar perante a possibilidade do cabo submarino servir para Marrocos vender eletricidade barata a Portugal, mas produzida a partir de carvão.

Ora, com o retângulo a encerrar as suas duas centrais a carvão até ao final deste ano, faria sentido estar a apostar num projeto que daria ‘via verde’ para Portugal à eletricidade produzido com carvão em Marrocos?

Nesse sentido, o secretário de Estado da Energia avisou em setembro de 2019 que não iria haver cabo submarino para Marrocos se a questão da eletricidade poluente produzida em Marrocos não for resolvida.

“Essa questão já foi suscitada explicitamente por Espanha por causa das centrais a carvão em Marrocos, nós acompanhamos a posição espanhola. Espanha já contactou a Comissão Europeia no sentido de criar mecanismos tarifários de ajustamento”, disse João Galamba na altura.

“Isto também se prende com a possibilidade de haver uma interligação com Marrocos; não haverá uma interligação com Marrocos se estas questões não forem resolvidas, pela simples razão de que não se podem fechar centrais a carvão, e por em causa empregos, para depois fazer outsourcing para os mesmos empregos e a mesma tecnologia umas dezenas de quilómetros mais abaixo”, afirmou então o governante.

O país do norte de África produz esta eletricidade mais poluente a preços mais baratos nas suas duas centrais a carvão, pois não tem o peso da carga fiscal que existe nos países ibéricos sobre esta tecnologia. Desta forma, a eletricidade marroquina tem uma vantagem competitiva face à ibérica em termos de preço.

Alias, um estudo realizado pelo grupo de reflexão Sandbag, sinaliza esta contradição: Portugal está a fechar as suas centrais a carvão, mas vai continuar a consumir eletricidade poluente comprada fora da União Europeia, produzida em Marrocos e importada para a Europa via Espanha.

Espanha, e por consequência Portugal, estão entre os 13 países da UE mais expostos à eletricidade a carvão de fora da UE. No início de 2020, o Sandbag alertava que em Espanha a “produção de carvão doméstica está a colapsar, mas as importações de eletricidade a carvão de Marrocos estão a aumentar, onde mais interligações estão planeadas”.

Portugal está entre os seis países (Grécia, Hungria, Itália, Eslováquia e Finlândia) da UE que já se comprometeram a encerrar as suas centrais a carvão até 2030, “mas vão continuar expostos às importações de eletricidade gerada a carvão depois desta data sem não houver uma alteração nas políticas”, alertou este grupo de reflexão em janeiro de 2020.

Recomendadas

Ricardo Salgado. Tribunal rejeita pedido da defesa para suspender julgamento por diagnóstico de Alzheimer

A defesa do antigo banqueiro Ricardo Salgado tinha pedido a suspensão do processo, mas juiz considera que a doença não é razão suficiente para que as “capacidades de defesa do arguido estejam limitadas de tal forma que o impeçam de se defender de forma plena.

Presidente e vice-presidente da ASFAC integram a direção da associação europeia do sector

Duarte Gomes Pereira e Leonor Santos, Presidente e Vice-presidente, respetivamente, da Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC) foram eleitos para integrar a Direção da European Federation of Finance House Associations (Eurofinas).

WeWork chega ao mercado bolsista

Entrada no mercado de ações acontece depois do entrave criado pela pandemia e de uma Oferta Pública Inicial (IPO) falhada.
Comentários