Nors abre concurso internacional para startups com 10 mil euros de prémio

As inscrições para o concurso internacional de startups, promovido pelo grupo Nors Digital Disruptos, já está aberto. As candidaturas devem ser enviadas até ao dia 3 de oububro. A startup vencedora ganhará um prémio de 10 mil euros e ainda um ano de incubação.

Está aberto um novo concurso para startups que tenham ideias empreendedoras nas áreas da mobilidade e transporte. O Nors Digital Disruptors é uma competição internacional entre startups e atribui 10 mil euros à vencedora, além de um ano de incubação no grupo Nors. Para saber as startups eleíveis, clique aqui.

As candidaturas para a competição devem ser submetidas no site da empresa até ao próximo dia 3 de outubro. No dia 19, haverá um evento de apresentação dos pitch das 10 finalistas que se realizará no Museu do Carro Elétrico, na cidade do Porto.

Em comunicado, a fornecedora de equipamentos industriais informa que “antecipa tendências do mercado com a competição entre startups”. Para Tomás Jervell, CEO do Grupo, “o desenvolvimento de uma visão proprietária do que é inovação para a Nors é fundamental para determinar a forma como lidaremos com os nossos desafios futuros, e como estabeleceremos relações sinérgicas com parceiros-chave que potenciem o crescimento e notoriedade da marca perante outros mercados”.

Recomendadas

Tens uma boa ideia ou criaste uma startup? Montepio Acredita Portugal está a receber últimas candidaturas

O prazo para a inscrição naquele que é considerado o maior concurso de empreendedorismo de Portugal termina já no próximo dia 17 de fevereiro.

Conferência internacional de software NDC chega a Portugal

O evento Norwegian Developers Conference realiza-se entre 26 de fevereiro e 1 de março, na Alfândega do Porto, e conta com o apoio da Farfetch.

Tem dúvidas sobre financiamento alternativo? Crowdfunding estará em debate na SRS

A sociedade SRS Advogados e a publicação “LinktoLeaders” abordarão as “Modalidades de financiamento para startups”, o “Regime de Crowdfunding e regulação” e “Lending vs Equity Crowdfunfing”.
Comentários