Norte-americana VF Corporation abre duas lojas em Portugal

Cadeia de moda da marca Vans, ligada aos desportos radicais, quer abrir um total de seis lojas na Península Ibérica.

A Vans, cadeia norte-americana de moda para desportos radicais cuja dona é a VF Corporation, vai abrir duas lojas no mercado português, numa lógica de crescimento dos seus interesses na Península Ibérica. Em 2019, segundo informa a cadeia internacional a partir do seu centro de operações para França e Península Ibérica, o foco do plano de expansão em Portugal e Espanha (onde serão abertas seis lojas) será nas Ilhas Canárias e em Portugal, embora também reforce a sua presença em Barcelona. Lisboa é um dos locais onde abrirá a nova loja da marca norte-americana.

Atualmente, a marca tem quatro lojas próprias em Madrid, Barcelona, ​​San Sebastian e Valência, para além de 42 ‘corners’ no El Corte Inglés e presença em lojas de operadores multimarca de desporto e moda radical.

A Vans assume também uma política de proximidade com os clientes potenciais, o que leva a marca a organizar eventos onde promove os seus produtos através de ‘happenings’ que aliam desportos radicais, música e entretenimento. Um dos últimos foi a realização do Girls Skate Night em Bilbao, que incluiu aulas práticas.

O objetivo da empresa é que o comércio eletrónico possa representar uma receita de mais de 860 milhões de euros, um canal que, em conjunto com lojas próprias, representa 60% de todo o negócio. Por categorias, o grupo espera que o calçado técnico seja uma das áreas com mais forte crescimento, com uma taxa média anual entre 14% e 16%.

Segundo estimativas do grupo controlado pela VF Corporation, a organização deve crescer a uma taxa de 10% ano ao ano e, para cumprir esse plano, as vendas terão de passar em cinco anos de mais de 2,5 mil milhões de euros para os cerca de 4,3 mil milhões. Atualmente, o grupo possui mais de 650 pontos de venda em todo o mundo.

Recomendadas

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.
Comentários