NOS entrega à Armilar gestão de fundo de investimento de dez milhões de euros para o 5G

Em causa está um fundo de dez milhões de euros para investir em empresas que se dediquem à investigação e desenvolvimento (I&D) na área do 5G, sobretudo empresas e startups em fase inicial de operações. Fundo criado no final de 2019 já iniciou operação.

Presidente executivo da Nos, Miguel Almeida | Foto de Cristina Bernardo

Pouco mais de seis meses depois de ter anunciado a criação de um fundo de investimento no valor de dez milhões de euros, para estimular a investigação e desenvolvimento na utilização da quinta geração da rede móvel (5G) na economia portuguesa, a NOS entregou a gestão do capital à portuguesa Armilar Venture Partners, foi esta quarta-feira anunciado.

O fundo para o 5G foi lançado no final de 2019 e já se encontra em funcionamento, tendo sido designado de Fundo NOS 5G. A gestão do capital foi agora entregue à Armilar, “o maior operador privado de venture capital em Portugal”, depois de ter sido firmada uma parceria estratégica entre a Armilar e a NOS.

“Ter a oportunidade de gerir este fundo em parceria com a NOS é um motivo de grande satisfação para a Armilar”, afirmou o presidente executivo da empresa gestora, Joaquim Sérvulo Rodrigues, citado em comunicado.

Para Sérvulo Rodrigues a parceria entre a Armilar e a NOS “é mais uma prova da forte reputação” da empresa que lidera. “Desenvolver esta parceria estratégica de longo-prazo numa área onde há grandes expetativas de geração de valor como é o 5G, ainda torna esta oportunidade mais desafiante”, acrescentou.

Em causa está um fundo de dez milhões de euros para investir em empresas que se dediquem à investigação e desenvolvimento (I&D) na área do 5G, sobretudo empresas e startups em fase inicial de operações.

Tal como a NOS tinha revelado em dezembro de 2019, o “objetivo é investir em empresas com soluções tecnológicas baseadas ou potenciadas pela próxima geração de rede móvel, cobrindo áreas tão variadas como a realidade virtual, smart cities [cidades inteligentes], condução autónoma, Internet das Coisas [IoT] e Big Data”.

“Estamos certos de que este fundo será uma valiosa ferramenta agregadora para explorar o potencial que a quinta geração de comunicações móveis encerra e posterior disponibilização dos benefícios para a economia e sociedade portuguesas”, salientou o presidente executivo da NOS, Miguel Almeida, no mesmo comunicado.

Este é o primeiro fundo de investimento criado por uma empresa de telecomunicações portuguesa “dedicado exclusivamente” ao 5G. A criação deste fundo marcou também a entrada da NOS no chamado corporate venture capital. Isto é, no investimento em pequenas empresas em fase inicial de operação através de um fundo de investimento corporativo.

A partir do Fundo NOS 5G, a telecom poderá vir a assumir uma participação acionista numa startup especializada em em soluções para o 5G.

O Fundo NOS 5G terá um período de investimento estimado de cinco anos, “permitindo sustentar eficazmente o período de emergência e maturação da tecnologia 5G”, e será gerido por uma gestora de fundos independente com experiência na gestão de investimentos em startups tecnológicas, de acordo com a empresa liderada por Miguel Almeida.

As indicações para as empresas concorrerem ao Fundo NOS 5G são dadas no site da Nos ou no site da Armilar.

Ler mais
Relacionadas

NOS cria fundo de investimento de dez milhões de euros para o 5G

Empresa de telecomunicações estreia-se no chamado corporate venture capital, que consiste no investimento em pequenas empresas em fase inicial de operação através de um fundo de investimento corporativo. Com o Fundo NOS 5G, a operadora quer estimular o investimento em investigação e desenvolvimento no 5G e posicionar-se para eventuais novos modelos de negócio criados com a nova vaga tecnológica.
Recomendadas

Uber só aceita carros elétricos a partir de 16 de julho

Uber quer acelerar eletrificação da frota de automóveis disponibilizados na plataforma. Para já, medida será aplicada aos novos veículos que se registem na plataforma nas áreas de Lisboa, Porto, Braga e Faro, nos serviços UberX e Uber Comfort. Operadora TVDE aprofunda parceria com PowerDot para facilitar transição.

Retrato: 10 números que ilustram a delicada situação que a TAP vive

A pandemia da Covid-19 mudou o destino da companhia aérea portuguesa. Os vários cenários em cima da mesa neste momento apontam para a possibilidade de nacionalização, conforme já avisou o Governo, ou para a saída de um dos acionistas privados da empresa, David Neeleman. Estes 10 números ajudam a compreender a delicada situação que a transportadora aérea vive.

Da TAP à Air France-KLM. As principais condições impostas por Bruxelas para as ajudas de Estado

A Comissão Europeia impôs condições apertadas para os apoios de Estado às companhias áreas. A Lufthansa terá de abrir mão de 24 slots por dia em Frankfurt e Munique, a Air France vai reduzir os voos domésticos em 40% e a KLM o número de voos em o número de voos em 20%. Em Itália, o futuro da Alitalia parece mais incerto do que o da TAP.
Comentários