Notas dos exames secundário baixam na segunda fase. Economia A é exceção

Segundo os dados divulgados esta quarta-feira, pelo Ministério da Educação, em quatro disciplinas a média foi negativa, com destaque para Matemática B e Matemática Aplicada às Ciências Sociais, uma vez que em Português Língua Segunda e Latim, o número de alunos foi residual.

Os resultados da 2.ª fase dos exames nacionais do ensino secundário, divulgados esta quarta-feira, 16 de setembro, revelam que, no geral, as notas são inferiores às da 1.ª fase. A exceção é a  disciplina de Economia A, onde se verifica uma subida.

Quatro disciplinas registam médias inferiores a 95 pontos, isto é negativa. A saber: Português Língua Segunda, Latim, Matemática B e Matemática Aplicada às Ciências Sociais, embora nas duas primeiras disciplinas tenham apenas realizado exame um e dois alunos, respetivamente. No entanto, na disciplina de Matemática B realizaram-se 487 provas, tendo a média sido 87 pontos.  E na Matemática Aplicada às Ciências Sociais participaram 1.817 alunos e a média foi 90.

Segundo os dados do Ministério da Educação, a 2.ª fase dos exames finais nacionais do ensino secundário decorreu em 643 escolas de Portugal Continental e Regiões Autónomas dos Açores e
da Madeira, bem como nas escolas no estrangeiro com currículo português. No total, foram realizadas 41.637 provas, menos de metade das 107.807 provas realizadas em 2019 na mesma fase, envolvendo na sua classificação 3.187 professores.

Matemática A, com 8.720 provas, Português, com 7.503, Física e Química A, com 6.840 provas, Biologia e Geologia, com 6.816 e Economia A, com 2.859 foram as cinco disciplinas que registaram  maior número de provas na 2.ª fase.

Ainda, de acordo com os dados oficiais, na 2.ª fase, a avaliação da componente de produção e interação orais dos exames nacionais de línguas estrangeiras envolveu 795 avaliações da componente oral, das quais 678 a Inglês, 49 a Espanhol (Iniciação), 24 a Espanhol (Continuação), 28 a Francês e 16 na disciplina de Alemão.

Recomendadas

Mário Nogueira estranha nomeação de jurista para secretária de Estado da Educação

Inês Ramires substitui Susana Amador nesta mini-remodelação de secretários de Estado feita por António Costa. Com percurso na consultoria e assessoria em gabinetes ministeriais, foi anteriormente chefe de gabinete do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Governo “não adotou medidas suficientes” nas escolas, acusa CGTP

A maior central sindical do país, diz em comunicado que “não deixará de responsabilizar o Governo, na medida em que isso se justificar – pela forte possibilidade de ter de haver um recuo” no ensino presencial.

Catarina Martins quer ouvir ministro da Educação no Parlamento sobre cortes no ensino artístico

A coordenadora do Bloco de Esquerda visitou esta quarta-feira, 16 de setembro, a Sociedade Artística Musical dos Pousos, em Leiria, onde denunciou, os cortes de financiamento que estão a afetar muitas instituições de de ensino articulado e a lesar os alunos.
Comentários