Nova criptomoeda Chia pode fazer aumentar preços do armazenamento de dados

Uma nova criptomoeda baseada num modelo que troca moedas por espaço em disco, pode fazer o mercado do armazenamento, o que as outras fizeram ao mercado das placas gráficas.

Tradicionalmente, a mineração de criptomoedas foca-se na utilização dos GPU para a acelerar, o que criou uma escassez de hardware, que, por sua vez, fez com que os preços subissem muito. Mas, uma nova criptomoeda emergente, pode alterar um pouco este panorama e reorientar a mineração para o espaço livre em disco. A nova criptomoeda, chamada Chia, foi criada por Bram Cohen, o inventor do sistema de partilha de ficheiros BitTorrent, utiliza um modelo de “prova de espaço e de tempo” em vez de um modelo de “prova de trabalho” (Bitcoin) ou “prova de participação” (Ethereum 2.0), o que permite aos “cibermineiros” ganharem moedas Chia, através da alocação do espaço em disco rígido não utilizado, em conjunto com um factor de tempo para aumentar a segurança geral da blockchain.

Apesar de esta criptomoeda ainda não se poder transaccionar, o site de tecnologias HKEPC noticiou (notícia do Tom’s Hardware) que os early adopters da Chia estão já a comprar discos rígidos mecânicos com capacidades entre os 4 e os 18 TB, o que, previsivelmente, pode levar à escassez de discos e ao aumento dos preços.

A mineração de Chia adapta-se mais à drives de alta resistência, como as utilizadas em aplicações empresariais, devido à constante escrita e leitura de dados nas drives. No entanto, isto não põe de parte os discos e SSD para o mercado doméstico, que também podem ser utilizados. Um fabricante chinês de SSD declarou que já vendeu todos os modelos de drives NVMe com 1 e 2 TB e que vai aumentar a produção e que está a estudar a hipótese de lançar uma drive específica para a mineração de criptomoeda.

Como já aconteceu com os fabricantes de placas gráficas, é provável que os fabricantes de hardware para o armazenamento de dados comecem a explorar estas opções se a Chia, ou outras criptomoedas baseadas em armazenamento, ganhem popularidade no futuro.

PCGuia

Recomendadas

Fitch mantém notação da dívida portuguesa em ‘BBB’, mas deixa recomendações para a segunda metade do ano

A Fitch havia já em abril deixado alguns avisos à economia nacional, apesar de ter sinalizado que deveria manter a avaliação à dívida soberana nesta avaliação programada perante o potencial para crescimento nos dois últimos trimestres de 2021.

Wall Street fecha semana em alta a corrigir perdas dos últimos dias

Depois de uma semana de fortes perdas, especialmente no Nasdaq e Dow Jones, os três índices norte-americanos encerraram a última sessão da semana no verde, apesar dos dados fracos divulgados durante a manhã relativos às vendas a retalho e à produção industrial de abril.

Portugal regressa aos mercados quarta-feira para colocar 1.500 milhões de euros a seis meses e 1.750 milhões a 12 meses

Este é o segundo de um conjunto de três leilões a realizar entre março e junho com vista a angariar cerca de 4 mil milhões. Na anterior licitação, as taxas médias foram de -0,599% a três meses e -0,558% a 11 meses.
Comentários