Nova Diretiva (ou direção) contra práticas de elisão fiscal

Mesmo o leitor mais desinteressado deve preocupar-se com a renovada margem de livre apreciação que estes mecanismos conferem à Autoridade Tributária.

O ataque a práticas consideradas abusivas tem estado em especial foco no novo mundo da fiscalidade internacional, com uma multiplicidade de medidas ao nível internacional, europeu ou mesmo unilaterais, todas com o intuito de “cortar os caminhos” aos contribuintes e facilitar a ação dos executores da lei, em zonas consideradas de risco e suscetíveis de planeamento fiscal.

Por estes dias uma destas medidas ganha particular relevância, ATAD (Anti Tax Avoidance Directive), Diretiva Comunitária cujo primeiro prazo de transposição para a legislação interna termina a 31 de dezembro de 2018, mas a que estranhamente a Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2019 não faz referência.

A ATAD integra a agenda paralela da UE de medidas para prevenir a erosão das bases tributáveis. Esta Diretiva, que impõe uma obrigação de resultado deixando a forma de implementação para cada Estado, assenta no objetivo de criar regras fiscais equivalentes em todos Estados-Membros, que se resumem no quadro seguinte:

Regras da ATADObjetivo de Política Fiscal
Limitações à dedutibilidade fiscal dos jurosReduzir a erosão da base tributável através do excesso de endividamento
Transparência fiscal e sociedades estrangeiras controladas (“CFC”)Diminuir a extensão/possibilidade de transferência de lucros para jurisdições de baixa tributação
Cláusula geral anti-abuso (“CGAA”)Desencorajar operações artificiais ou desprovidas de razões económicas válidas
Combate às assimetrias híbridasEvitar estruturas assentes em assimetrias entre regras fiscais de diferentes Estados
Tributação à saída (“exit tax”)Prevenir a saída de ativos valiosos de uma jurisdição sem tributação

Apesar de, em larga medida, alguns princípios e disposições da ATAD já se encontrarem vertidos no nosso sistema fiscal, esperava-se que fosse promovida a consulta pública sobre a transposição desta Diretiva, o que infelizmente ainda não ocorreu.

Por exemplo a ATAD inclui uma CGAA que permite aos Estados-Membros (como Portugal) ignorar uma montagem ou série de montagens que, tendo sido posta em prática com a finalidade principal ou uma das finalidades principais de obter uma vantagem fiscal que frustre o objeto ou a finalidade do direito fiscal aplicável, não seja genuína tendo em conta todos os factos e circunstâncias relevantes”.

Ora, o sistema fiscal português já contém uma CGAA (art. 38.º, n.º 2, da Lei Geral Tributária) e por isso não é claro se esta norma será considerada suficiente na transposição da ATAD. Apesar da própria ATAD esclarecer que não se opõe a disposições internas mais amplas, a problemática da compatibilidade das duas normas não é tarefa simples, pela necessidade de qualquer aplicação da CGAA numa operação cross-border dever respeitar as pedras basilares estabelecidas pelas liberdades fundamentais da UE e pela jurisprudência do TJUE sobre abuso em matéria tributária.

A nível prático, e pelo facto de a linha entre o planeamento fiscal e o abuso ser de difícil recorte, regista-se a curiosidade de a Autoridade Tributária, não obstante ter tardado mais de dez anos a levar um procedimento de aplicação da CGAA aos tribunais, viver agora um momento de aplicação intensa da CGAA, registando-se mais de 30 casos apenas em sede de arbitragem tributária.

Dado o carácter abrangente, indeterminado e suscetível de múltiplas interpretações que estes (novos) conceitos de abuso podem envolver, mesmo o leitor mais desinteressado deve preocupar-se com a renovada margem de livre apreciação que estes mecanismos conferem à Autoridade Tributária.

Importa assim estar atento à transposição da ATAD, por esta poder vir a representar uma nova direção contra práticas de elisão fiscal, com o consequente aumento da complexidade, dos custos de cumprimento e do risco, em determinadas situações, de resultar em dupla tributação. Será determinante a capacidade de os estados (Portugal incluído) dotarem as suas instituições de capacidade de resposta ao inevitável incremento do contencioso tributário, através de modelos alternativos para a resolução de conflitos em matéria tributária e consequente reforço da segurança jurídica.

 

Ao longo de dez artigos, o departamento fiscal da Garrigues aborda os principais desafios relacionados com o novo contexto da fiscalidade internacional. Trata-se de uma oportunidade para os leitores compreenderem melhor o contexto de uma fiscalidade cada vez mais transparente, mas também mais complexa e com custos de cumprimento elevados. Próximo Artigo – “Novos modelos de resolução de disputas tributárias internacionais”.

Recomendadas

“Dados pessoais podem ser um produto tóxico para quem incumpra com o RGPD”

Até 2020 vai entrar em vigor o Regulamento e-Privacy e o Código das Comunicações Eletrónicas, o que irá obrigar as empresas a novos ajustes e alterações.

Sérvulo estabelece parceria com sociedade de advogados em Cabo Verde

A MJN Advogados, de Maria João de Novais, é o novo escritório parceiro da Sérvulo & Associados.

Conselho Regional vai deixar de ser “suporte do bastonário”

A advogada Ana Sofia de Sá Pereira, que tem tudo preparado para avançar com uma candidatura ao Conselho Regional do Porto, apoia uma eventual candidatura de António Jaime Martins contra Guilherme Figueiredo.
Comentários