Nova Expo na zona ocidental de Lisboa: 73% do investimento de 300 milhões vai ser privado

O projeto de reconversão urbana da zona ribeirinha entre Pedrouços e a Cruz Quebrada prevê um investimento global de 300 milhões de euros, que deverá estar concluído até 2030. Ana Paula Vitorino, ministra do Mar, vai apresentar esta manhã o projeto.

Mais de três quartos do valor de investimento de 300 milhões de euros previsto para o ‘Ocean Campus’, projeto de reconversão da zona ribeirinha entre Pedrouços (Lisboa) e a Cruz Quebrada (Oeiras) será exclusivamente assegurado por privados, de acordo com o documento referente ao plano estratégico deste empreendimentos, a que o Jornal Económico teve acesso.

Além de 73% desse montante dever ir ser assegurado por investidores privados, mais 25% (76 milhões de euros) deverão ser da responsabilidade de investidores públicos e privados. De acordo com o referido documento, apenas 2% deste montante de investimento ficará exclusivamente a cargo de entidades públicas.

Segundo o plano estratégico deste empreendimento, que será hoje, dia 22 de julho, apresentado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, o ‘Ocean Campus’ terá uma área de intervenção de 64 hectares.

“‘O Ocean Campus Portugal’ é um projeto-âncora para a requalificação de um vasto território, de Pedrouços (Lisboa) à Cruz Quebrada (Oeiras) num ecossistema de excelência em I&D [Investigação & Desenvolvimento], juntando investigadores, empreendedores, empresas de referência, académicos e profissionais na área do mar”, destaca um documento do Ministério do Mar, a que o Jornal Económico teve acesso.

De acordo com esse documento, o ‘Ocean Campus’ “concretiza um objetivo estratégico do governo de criação de um espaço de excelência no contexto internacional no que respeita às ciências marítimas e marinhas e à ‘economia azul’, potenciando um ‘cluster’ de desenvolvimento associado ao mar, através de uma rede de unidades de investigação, ensino e desenvolvimento tecnológico, cujo objeto principal será gerar inovação e investigação qualificada e fornecer aos serviços que aqui se instalem as melhores condições para competir no mercado global”.

Dos 300 milhões de euros de investimentos previstos, 145 milhões (48% do total) serão destinados à área já existente, para construção e reabilitação (114 milhões de euros) e para a futura marina de Pedrouços (31 milhões de euros).

Para a área de construção nova, estão previstos 155 milhões de euros (52% do total): 125 milhões de euros para construções novas e 30 milhões de euros para a futura marina do Jamor.

Com as novas infraestruturas previstas para o ‘Ocean Campus’, estão previstas receitas anuais de cerca de 6,8 milhões de euros.

Este investimento será aplicado em três fases: 118 milhões de euros (1ª fase), 152 milhões de euros (2ª fase) e 30 milhões de euros (3ª fase).

Além das referidas marinas de Pedrouços e do Jamor, está previsto um hotel (privado), espaços de restauração (privados), residências temporárias para investigadores e de funcionários de centros de investigação, os laboratórios do IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera, espaços para empresas incluindo ‘startups’, diversos edifícios (balcão único de serviços, edifício multifuncional – ‘ocean lab’, centros de investigação), e ‘Blue Business School’.

O lançamento do processo de avaliação ambiental estratégica do ‘Ocean Campus’ foi lançado a 5 de junho passado.

A conclusão da primeira fase do ‘Ocean Campus’ e da marina do Jamor está prevista para o final de 2022. As outras duas fases devem concretizar-se, respetivamente, até ao final de 2026 e de 2030.

De acordo com o documento do Ministério do Mar, a que o Jornal Económico teve acesso, “o ‘Ocean Campus’ é um projeto inovador que fomenta o empreendedorismo, reforçando o posicionamento de Portugal como uma referência internacional nos domínios da ciência, da I&D e da tecnologia, potenciando a ‘economia azul'”.

Entre os objetivos elencados estão “criar um ‘campus’ de I&D internacional de atividades ligadas ao mar, recuperando um espaço de forte memória portuária, criando condições logísticas para o desenvolvimento da economia nacional, potenciando a ‘economia azul'”, assim como “agregar, sob a temática do mar, vários organismos, serviços e instituições públicas, pólos universitários, laboratórios de investigação, unidades-âncora para desenvolvimento de novos modelos de relacionamento; [uma] zona-embrião de desenvolvimento de ‘startups’, salas de reuniões, auditório e zona de exposições, alojamentos temporários para investigadores e postos de atracação de navios de investigação”.

“Com uma abrangência de mais de 60 hectares no limiar da malha urbana de Lisboa e Oeiras e na linha de água da foz do Tejo, para além de toda a requalificação desta zona, aposta-se na reabilitação da doca de Pedrouços e dos armazéns da Docapesca”, adianta o referido documento, além de pretender “criar uma rede de excelência de unidades de investigação, ensino e desenvolvimento tecnológico, gerando inovação e investigação qualificada, potenciando o ‘conhecimento e ‘economia azuis'”

Recomendadas
Claude Berda e José Cardoso Botelho da Vanguard Properties

Claude Berda da Vanguard Properties já tem nacionalidade portuguesa

Segundo um comunicado Claude Berda foi notificado pela Conservatória dos Registos Centrais da conclusão do processo de nacionalização, “com sucesso”.

PremiumFundo da Sonae Capital vende Porto Palácio Hotel por 62,5 milhões de euros

Carteira vendida por fundo gerido pela Sonae Capital integra três edifícios, na zona da Avenida da Boavista, no Porto, com cerca de 48 mil metros quadrados de área. Grupo continua a gerir o hotel.

Investimento imobiliário em Portugal registou quebra de 70% no primeiro semestre

Dos 530 milhões investidos durante a primeira metade do ano, 40% destinaram-se ao segmento de escritórios (210 milhões de euros), 31% para imóveis residenciais de arrendamento (165 milhões de euros) e 14% para retalho (75 milhões de euros).
Comentários