PremiumNova injeção do Estado no Novo Banco ainda é hipótese

Estão a ser estudadas alternativas para financiar o Fundo de Resolução e garantir a próxima injeção. Sindicato de bancos nacionais é hipótese e inscrição de verba no OE ainda não foi afastada.

Estão a ser estudadas várias soluções alternativas de financiamento do Fundo de Resolução (FdR) com vista à nova chamada de capital do Novo Banco face à anunciada recusa dos partidos de esquerda em aprovar a inscrição de qualquer verba para a capitalização do banco no Orçamento do Estado do próximo ano. Fonte próxima ao processo avançou ao Jornal Económico (JE) que a constituição de um sindicato de bancos nacionais é uma das hipóteses e os cenários não excluem uma verba, ainda que mais reduzida, a contemplar no OE21.

Alternativas para financiar o FdR não se encontram fechadas e estão a ser avaliadas numa altura em que o banco liderado por António Ramalho ainda pode pedir mais 900 milhões de euros ao Estado.

“É indispensável a salvaguarda da estabilidade do Novo Banco. Estão a ser estudadas diferentes hipóteses para lidar com as obrigações contratuais. Há cenários que passam por empréstimos junto da banca nacional, mas têm de ser em condições de mercado e ainda está sob análise inscrever uma verba no OE, embora mais reduzida”, revelou fonte próxima ao processo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.
Comentários