Nova ponte sobre o Douro. Veja aqui os três projetos que passaram à próxima fase

Os candidatos vão entregar as suas propostas em novembro, com o vencedor a ser conhecido em dezembro. Três finalistas apresentaram projetos abaixo dos 70 milhões de euros.

A nova ponte sobre o rio Douro vai ter capacidade para peões, bicicletas e o Metro do Porto, ligando a Casa da Música a Santo Ovídeo em Vila Nova de Gaia. O projeto deverá estar concluído no final de 2025.

O concurso público internacional para a construção de uma nova ponte sobre o rio Douro recebeu um total de 28 propostas. Destas, foram escolhidas um total de três que vão agora passar para a segunda fase.

Entre os seus requisitos, este concurso exigia que o projeto ficasse abaixo de 70 milhões de euros e um prazo de construção abaixo de 1.100 dias de calendário.

Na segunda fase, os candidatos têm até 18 de novembro para entregar as suas propostas, com a adjudicação do projeto a ter lugar a 7 de dezembro, depois de publicado o relatório de avaliação do júri (30 de novembro).

“Sou engenheiro civil, nunca me esqueço disso, e ia jurar que esta ponte ia ser um pórtico. Enganei-me, a ponte afinal é um arco e um arco magnífico”, disse o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes sobre os projetos.

Recomendadas

Do “Cartão Vermelho” ao “Fora de Jogo”: como combater as ilegalidades do futebol português? Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Presidente da República diz que Alemanha e Volkswagen prometeram e cumpriram com Portugal

“A Autoeuropa correu bem porque, em primeiro lugar – como já disse o senhor primeiro-ministro -, nós mostrámos que éramos capazes de fazer bem feito”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, salientando que os portugueses também demonstraram ser capazes de ser consistentes na produção de qualidade, capacidade de resiliência e de inovação.

Portuguesa Blue Oasis Technology foi uma das startups vencedoras do programa das fundações Oceano Azul e Calouste Gulbenkian

A empresa, com menos de um ano de vida, desenha, constrói e instala “recifes” artificiais que permitem a, recuperação de ecossistemas marinhos danificados e a reversão do declínio da biodiversidade do oceano. Noruegueses da Tekslo Seafood e argentinos da FeedVax também se destacaram.
Comentários