Novabase cessa contrato de liquidez com Haitong Bank

Durante o período em que o Contrato de Liquidez vigorou (de 3 de junho de 2009 a 3 de junho de 2019) foram compradas pelo Haitong 8,9 milhões de ações da Novabase e vendidas outras tantas.

A Novabase SGPS informou esta terça-feira o mercado da cessação do contrato de liquidez celebrado em 8 de maio de 2009 com o Banco Espírito Santo Investimento, cuja denominação social foi, entretanto, alterada para Haitong Bank.

“A cessação do referido Contrato de Liquidez tem por causa a denúncia comunicada pelo Haitong, nos termos do número 2 da Cláusula 4ª do Contrato de Liquidez, por carta datada de 27 de março de 2019”, diz a empresa portuguesa de Tecnologias da Informação, em comunicado.

Durante o período em que o Contrato de Liquidez vigorou (de 3 de junho de 2009 a 3 de junho de 2019) foram realizadas pelo Haitong um total de 19.498 transações sobre ações representativas do capital social da Novabase, o que resultou na aquisição pelo Haitong de mais de oito milhões de ações, na alienação pelo Haitong de um total de 8.942.745 ações, tendo neste âmbito sido paga a quantia total de 26,3 milhões de euros e recebida a quantia total de 26,2 milhões de euros.

A denúncia do contrato de liquidez produziu efeitos na presente data, tendo o último dia de vigência do contrato correspondido ao dia 3 de junho de 2019. Na presente data, a Novabase não detém qualquer saldo em contas junto do Haitong.

Recomendadas

Navigator nomeia dois novos administradores executivos

João Paulo Cabete Lé e Adriano Agusto Silveira são os novos administradores executivos no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

Jorge Calvete é o administrador judicial da Orey Antunes que pediu um PER

O prazo para a reclamação de créditos, começa a correr a partir da data da publicação do anúncio no Portal Citius, ou seja, 10 de dezembro de 2019. Os prazos são contínuos, não se suspendendo durante as férias judiciais.

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.
Comentários