Novas gerações viverão “alto risco de pobreza” na velhice, alerta OCDE

Um estudo da OCDE mostra que, devido ao desemprego e aos baixos rendimentos, as novas gerações viverão essa fase de uma forma pior do que os seus pais em termos de condições económicas e proteção social.

Um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) mostra que a experiência de velhice vai mudar para radicalmente para as gerações nascidas depois da década de 60. O estudo mostra que, devido ao desemprego e aos baixos rendimentos, as novas gerações viverão essa fase de uma forma pior do que a dos seus pais em termos de condições económicas e proteção social.

“As gerações mais jovens vão enfrentar maiores riscos de desigualdade em idade avançada do que os reformados dos dias de hoje. Entre as gerações nascidas após os anos sessenta, a experiência de velhice mudará drasticamente”, lê-se no relatório divulgado esta quarta-feira. “Além disso, com queda do tamanho das famílias, a maior desigualdade em relação à vida profissional e a redução das reformas, alguns grupos enfrentarão um alto risco de pobreza”.

Segundo o estudo, os ‘baby boomers’ nascidos no final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, beneficiaram de um crescimento económico assinalável, que possibilitou uma diminuição da desigualdade e uma maior proteção social, tendo em conta as crescentes preocupações com o bem-estar da sociedade abalada pelos tumultos da guerra. Os seus filhos com idades entre os 35 e os 50 anos, no entanto, “não serão tão ricos como os seus pais na velhice”. E os seus netos, nascidos depois de 2000 e que fazem parte da chamada geração do milénio, enfrentarão uma situação “particularmente difícil”.

“Os futuros idosos viverão mais tempo, mas são cada vez mais os que estarão desempregados em algum momento das suas vidas ou sujeitos a salários baixos, enquanto outras gerações terão desfrutado de rendimentos mais altos e estáveis”, explica o relatório da OCDE. “As desigualdades na educação, saúde e emprego começam a crescer em idades precoces”.

A OCDE nota ainda que o Japão será em 2050 o país com maior número de idosos do mundo, seguido de perto pelos países do sul da Europa: Itália, Grécia, Espanha e Portugal.

Recomendadas

Covid-19: Portugal com 33.261 casos confirmados e 1.447 vítimas mortais

Os dados divulgados pela Direção-Geral da Saúde (DGS) indicam a existência de 33.261 casos confirmados e 1.447 mortes. O número de casos recuperados em Portugal aumentou para 20.079.

Covid-19: Tratamento com ibuprofeno para pacientes infetados começa a ser testado

Estudos em animais sugerem que o ibuprofeno pode tratar a síndrome de desconforto respiratório agudo – uma das complicações graves do novo coronavírus. Os cientistas esperam que o tratamento de baixo custo possa manter os pacientes longe dos ventiladores, evitando uma possível sobrecarga nos sistemas nacionais de saúde.

Portugal não tem uma estratégia contra a corrupção, acusa Associação Transparência e Integridade

João Paulo Batalha falava à agência Lusa a propósito do último relatório do Grupo de Estados contra a Corrupção (GRECO), que coloca Portugal, no final de 2019, numa lista de 15 países com baixo nível de cumprimento das recomendações anticorrupção dirigidas a deputados, juízes e procuradores.
Comentários