Novas gerações viverão “alto risco de pobreza” na velhice, alerta OCDE

Um estudo da OCDE mostra que, devido ao desemprego e aos baixos rendimentos, as novas gerações viverão essa fase de uma forma pior do que os seus pais em termos de condições económicas e proteção social.

Um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) mostra que a experiência de velhice vai mudar para radicalmente para as gerações nascidas depois da década de 60. O estudo mostra que, devido ao desemprego e aos baixos rendimentos, as novas gerações viverão essa fase de uma forma pior do que a dos seus pais em termos de condições económicas e proteção social.

“As gerações mais jovens vão enfrentar maiores riscos de desigualdade em idade avançada do que os reformados dos dias de hoje. Entre as gerações nascidas após os anos sessenta, a experiência de velhice mudará drasticamente”, lê-se no relatório divulgado esta quarta-feira. “Além disso, com queda do tamanho das famílias, a maior desigualdade em relação à vida profissional e a redução das reformas, alguns grupos enfrentarão um alto risco de pobreza”.

Segundo o estudo, os ‘baby boomers’ nascidos no final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, beneficiaram de um crescimento económico assinalável, que possibilitou uma diminuição da desigualdade e uma maior proteção social, tendo em conta as crescentes preocupações com o bem-estar da sociedade abalada pelos tumultos da guerra. Os seus filhos com idades entre os 35 e os 50 anos, no entanto, “não serão tão ricos como os seus pais na velhice”. E os seus netos, nascidos depois de 2000 e que fazem parte da chamada geração do milénio, enfrentarão uma situação “particularmente difícil”.

“Os futuros idosos viverão mais tempo, mas são cada vez mais os que estarão desempregados em algum momento das suas vidas ou sujeitos a salários baixos, enquanto outras gerações terão desfrutado de rendimentos mais altos e estáveis”, explica o relatório da OCDE. “As desigualdades na educação, saúde e emprego começam a crescer em idades precoces”.

A OCDE nota ainda que o Japão será em 2050 o país com maior número de idosos do mundo, seguido de perto pelos países do sul da Europa: Itália, Grécia, Espanha e Portugal.

Recomendadas

Passageiros da Mafrense receiam falta de autocarros

Empresas de transportes, como a rodoviária Mafrense, enfrentam falta de motoristas para responder ao aumento de passageiros provocado pelo disparo no pedido de passes sociais, ocorrido a partir desta semana.

Secretário de Estado das Comunidades lamenta morte de português nas explosões do Sri Lanka

José Luís Carneiro, disse já ter falado com a esposa do português que faleceu hoje no Sri Lanka, a quem transmitiu uma mensagem de condolências e deixou os contactos para prestar “o apoio devido e indispensável nesta altura”.

GNR regista 615 acidentes com 22 feridos graves e um morto na Operação Páscoa

O acidente, que causou uma vítima mortal, resultou da colisão entre três veículos, no concelho de Valença, tendo provocado ainda cinco feridos, dois dos quais com gravidade.
Comentários