Novas matrículas vão deixar de ter o mês e o ano de registo

Além de Portugal, só as matrículas em Itália é que contêm a data. O Governo justifica a decisão O Governo por a data gerar “interpretações incorretas por parte das entidades fiscalizadoras do trânsito” noutros países europeus.

HO/Reuters

As novas matrículas em Portugal vão deixar de ter o mês e o ano de registo, à semelhança dos restantes países da União Europeia, segundo o decreto-lei publicado em Diário da República esta terça-feira.

O Governo pretende assim efetuar a “harmonização do modelo de chapa de matrícula com o da generalidade dos Estados-Membros da União Europeia, que não apresentam referência à data da primeira matrícula do veículo”.

“É importante mencionar que a referência ao ano e mês de matrícula é única na União Europeia, verificando-se que, atualmente, só em Itália é possível indicar o ano da matrícula”, pode-se ler no documento.

O Governo aponta que a data nas matrículas “gera interpretações incorretas por parte das entidades fiscalizadoras do trânsito de outros Estados-Membros da União Europeia quando os veículos circulam internacionalmente, uma vez que diversos países utilizam a referida solução não para a indicação da data da primeira matrícula do veículo, mas para inscrever a data limite de validade da matrícula, situação comum no caso de matrículas temporárias ou de exportação”.

Quatro letras e dois números. Veja aqui como vão ser as novas matrículas

Ler mais
Recomendadas

Algarve: Polícia Maritima intercetou embarcação com 11 imigrantes ilegais

A Polícia Marítima detetou na madrugada de hoje uma embarcação com 11 imigrantes ilegais a bordo junto a Olhão, três dos quais tiveram de ser transportados ao Hospital de Faro para despistar problema de saúde.

Contribuições de cada país “não estão numa trajetória de limitar o aquecimento a um nível baixo”

Cerca de 260 especialistas estão reunidos em Faro para avançar na elaboração do sexto relatório ambiental que deverá ser publicado entre 2021 e 2022. Ao JE, Maria Lemos considera que apesar de “estarmos atrasados, não podemos parar de trabalhar”.

Coronavírus: Presidente da República diz estar a acompanhar a situação

A União Europeia vai enviar dois aviões, entre quarta e sexta-feira, à região chinesa de Wuhan para repatriar 250 franceses e outros 100 cidadãos europeus que o solicitem, independentemente da nacionalidade.
Comentários