Novas metas do CO2 podem levar marcas a aumentar preços dos carros

Corte no dióxido de carbono entra em vigor já no primeiro dia de 2020. Novo limite é de 95 gramas/km para veículos ligeiros de passageiros e de 147 gramas para os comerciais ligeiros.

Os novos limites de emissões de dióxido de carbono (CO2) dos novos automóveis à venda na União Europeia (UE) poderão levar algumas marcas a aumentar os preços dos seus veículos, a partir de 2020. Os cortes no Co2 entram em vigor já no primeiro dia do novo ano, de 95 gramas/km para veículos ligeiros de passageiros e de 147 gramas para os comerciais ligeiros, relata o jornal “Público” esta segunda-feira, 30 de dezembro.

Marcas como a Mercedes podem vir a cortar gamas quase na sua totalidade para cumprir este novo limite de Co2, enquanto a Mazda pode acabar com certas motorizações. Contudo, existem construtoras que ponderam suspender os seus modelos, impor quotas aos concessionários ou subir os preços. A indústria automóvel tem cumprido os prazos nos cortes de CO2. Em 2015, o objetivo era de 130 gramas/km, mas a meta foi alcançada dois anos antes.

Cada fabricante terá de enfrentar os limites próprios, devido ao factor peso do carro. Quanto mais pesador for o modelo, mais poderá emitir. Os limites poderão variar entre 91 gramas/km e 100 gramas/km. As construtoras podem aumentar até 7 gramas/km o limite de emissões com base em “ecoinovações”.

O setor automóvel emprega 13,8 milhões de europeus e vale 7% do Produto Interno Bruto (PIB) da UE, onde o transporte rodoviário representa 12% das emissões de CO2.

Recomendadas

Sindicatos da Função Pública reúnem hoje (de novo) com o Governo. Mais dias de férias em cima da mesa

As estruturas sindicais da função pública reúnem-se novamente com o Governo com a expetativa de poderem negociar aumentos salariais superiores à proposta de sete euros para salários até 683,13 euros. Governo já sinalizou abertura para avaliar contrapostas para salários mais baixos. Mas assegura que para o resto da função pública, os 0,3% são ponto assente.

“O sports betting pode tornar-se incompatível com uma série de marcas”

Na última edição do programa “Mercados em Ação”, Fred Antunes, CEO da RealFevr, plataforma de ‘fantasy leagues’, qualificou como inevitável o caminho das fantasy leagues para uma plataforma de sports betting.

AEP insiste na internacionalização em três frentes simultâneas

Dubai, México e Senegal são as geografias onde, esta semana, A Associação Empresarial de Portugal leva empresas interessadas em aumentar a sua exposição aos novos mercados.
Comentários