Novas metas do CO2 podem levar marcas a aumentar preços dos carros

Corte no dióxido de carbono entra em vigor já no primeiro dia de 2020. Novo limite é de 95 gramas/km para veículos ligeiros de passageiros e de 147 gramas para os comerciais ligeiros.

Os novos limites de emissões de dióxido de carbono (CO2) dos novos automóveis à venda na União Europeia (UE) poderão levar algumas marcas a aumentar os preços dos seus veículos, a partir de 2020. Os cortes no Co2 entram em vigor já no primeiro dia do novo ano, de 95 gramas/km para veículos ligeiros de passageiros e de 147 gramas para os comerciais ligeiros, relata o jornal “Público” esta segunda-feira, 30 de dezembro.

Marcas como a Mercedes podem vir a cortar gamas quase na sua totalidade para cumprir este novo limite de Co2, enquanto a Mazda pode acabar com certas motorizações. Contudo, existem construtoras que ponderam suspender os seus modelos, impor quotas aos concessionários ou subir os preços. A indústria automóvel tem cumprido os prazos nos cortes de CO2. Em 2015, o objetivo era de 130 gramas/km, mas a meta foi alcançada dois anos antes.

Cada fabricante terá de enfrentar os limites próprios, devido ao factor peso do carro. Quanto mais pesador for o modelo, mais poderá emitir. Os limites poderão variar entre 91 gramas/km e 100 gramas/km. As construtoras podem aumentar até 7 gramas/km o limite de emissões com base em “ecoinovações”.

O setor automóvel emprega 13,8 milhões de europeus e vale 7% do Produto Interno Bruto (PIB) da UE, onde o transporte rodoviário representa 12% das emissões de CO2.

Recomendadas

IMT proíbe circulação de veículos ferroviários sem controlo de velocidade (Convel)

No início desta semana, administração da IP revelou que tem uma solução credível, proposta pela Critical Software. Órgão regulador do setor dos transportes “requereu uma avaliação urgente da viabilidade da solução e, caso viável, a consequente implementação igualmente urgente”.

NBA lança-se no mundo das apostas com o serviço NBABet Stream

Com a legalização das apostas desportivas nos EUA em 2018, a NBA torna-se a primeira grande liga desportiva dos EUA a atacar o mercado.

Siza Vieira sobre a possibilidade de adeptos nos estádios: “É mais importante que os jogos se realizem em segurança”

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.
Comentários