Novo apoio para pessoas com deficiência já pode ser pedido. Deco explica como funciona

Desde 1 de outubro, os beneficiários da prestação social para a inclusão podem pedir um complemento, caso vivam com poucos recursos económicos. Deco explica como funciona e como requerer. Candidaturas já abriram, mas pagamentos só começam a partir de março de 2019.

As pessoas que sofrem de deficiência e apresentam um grau de incapacidade igual ou superior a 60% (ou 80% se receberem pensão de invalidez) já podem requerer a prestação social para a inclusão, desde que tenham entre 18 anos e 66 anos e 4 meses (idade legal de acesso à pensão de velhice do regime geral). Para ter direito a receber a prestação a partir dos 55 anos, a certificação da deficiência deve ter sido requerida antes dessa idade, mesmo que venha a ser dada depois, alerta a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) sobre a o novo complemento da Prestação Social para a Inclusão que pode ser pedido desde 1 de Outubro.

As candidaturas para o Complemento da Prestação Social para a Inclusão abriram no dia 1 de outubro, devendo os pagamentos do complemento só começar a ser feitos a partir de março de 2019, com direito ao pagamento dos devidos retroativos.

Esta prestação é composta pela componente base, cujo valor máximo mensal é de 269,08 euros (pessoa sem rendimentos e com uma incapacidade igual ou superior a 80%) e, desde outubro, pelo complemento (montante máximo de 431,32 euros). Este destina-se a quem vive com poucos recursos económicos,  numa medida que visa promover o combate à pobreza e aumentar a participação social e laboral das pessoas com deficiência, prevendo o Governo um universo de 86 mil beneficiários.

No final de Setembro, o Governo tinha já sinalizado que o objetivo deste complemento é o combate à pobreza das pessoas com deficiência ou incapacidade e que, apesar de estas pessoas não terem tido direito a qualquer valor do componente base, podem na mesma candidatar-se ao complemento, uma vez que aqui é considerado não apenas o rendimento e os bens da pessoa com deficiência, mas de toda a família. Ou seja, é calculado tendo por base o agregado familiar em linha reta e colateral de primeiro grau, ou seja, cônjuge, filhos, pais e irmãos.

O montante do complemento pode ter um valor máximo de 431,32 euros mensais e apenas nos casos em que haja várias pessoas com direito à Prestação Social para a Inclusão (PSI) a viver no mesmo agregado familiar é que o montante máximo poderá ser superior.

Somando este valor ao máximo atribuído no componente base, que é de 269,08 euros, significa que o montante mais elevado que uma pessoa com deficiência pode receber é de 700,04 euros.

Segundo o Executivo, mais de 91% das pessoas que se candidataram à PSI recebem o valor máximo de componente base, ou seja, os 269,08 euros. A secretária de Estado para a Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, espera que  que cerca de 30% a 50% dos atuais 83 mil beneficiários da componente base possam receber algum valor do complemento.

 

Como funciona

A Deco/Proteste explica agora como funciona, começando por explicar que aa prestação social para a inclusão tem três componentes: a componente base, o complemento e a majoração.

A componente base destina-se a compensar os encargos adicionais provocados pela situação de deficiência, de modo a promover a autonomia e a inclusão social da pessoa com deficiência. Já o complemento tem como objetivo o combate à pobreza com a majoração a ter como objectivo e ajudar a suportar encargos específicos de cada situação de deficiência. “Esta só entra em vigor no próximo ano”, realça a Deco.

A associação recorda que a prestação social para a inclusão substituiu o subsídio mensal vitalício e a pensão social de invalidez. Pode ser acumulada com outras prestações sociais, como pensões (exceto a pensão social por velhice), subsídio por frequência de estabelecimento de educação especial, rendimento social de inserção e alguns complementos (por dependência, por cônjuge a cargo). Mas, frisa a Deco, “não pode ser acumulada com a bonificação do abono de família para crianças e jovens com deficiência, nem com o subsídio por assistência de 3.ª pessoa”.

O valor da prestação é variável, dependendo dos rendimentos do beneficiário, como salários, receitas como independente ou outras prestações sociais.

“Se o beneficiário não tiver rendimentos, receberá por mês, em 2018, 269,08 euros. Se tiver, o valor será inferior, dependendo do nível de rendimentos e da dimensão do agregado familiar”, avança a Deco, acrescentando que “a eventual existência de rendimentos não vai influenciar o montante da prestação se o grau de incapacidade for igual ou superior a 80%”.

Ao fim de 12 meses, a Segurança Social reavalia as condições de atribuição da prestação. O mesmo acontece sempre que o beneficiário comunique aos serviços de segurança social a alteração do grau de incapacidade, dos rendimentos ou da composição do agregado familiar.

“A reavaliação pode originar a manutenção do montante da prestação, bem como a sua alteração, suspensão ou cessação”, alerta a Deco.

O complemento da prestação social para a inclusão é atribuído a quem provar não ter meios económicos suficientes. O valor varia de acordo com os rendimentos e com o número de pessoas que compõem o agregado familiar em que vive a pessoa com deficiência. O montante máximo mensal é de 431,32 euros.

 

Como requerer

Quer a prestação quer o complemento podem ser solicitados nos serviços da Segurança Social ou online, através da Segurança Social Direta, pelo beneficiário, representante legal ou alguém que preste ou se disponha a prestar assistência ao beneficiário, quando este seja incapaz e esteja a aguardar a nomeação de representante legal.

Segundo o Executivo, quem preferir, requerer o complemento através da página de internet da segurança social, a opção está disponível desde esta quarta-feira, 17 de outubro.

Neste caso, explica a Deco, terá de juntar ao requerimento um documento que prove ter avançado com um processo judicial para ser o seu tutor ou curador.

Para requerer, deve apresentar o formulário próprio para o efeito, acompanhado pelo atestado médico de incapacidade multiuso ou, não o tendo, um comprovativo em como pediu a certificação de incapacidade.

A associação dá conta que também será necessário mostrar um documento de identificação e se tiver rendimentos e um grau de incapacidade inferior a 80%, terá de adicionar um anexo ao formulário. “Dependendo da situação específica de cada beneficiário, poderá ser solicitada pelos serviços da segurança social a apresentação de outros documentos”, conclui.

Ler mais
Recomendadas

Como alternar automaticamente entre os modos claro e escuro no Windows 10

Aprenda a programar o Windows para alternar automaticamente entre o modos de visualização escuro e claro consoante a hora.

Regimes de casamento: que diferença fazem nas finanças do casal?

O regime de bens que se escolhe no âmbito do casamento influencia as finanças de um casal, em particular na hora de solicitar um empréstimo. Também em situação de divórcio há consequências distintas no crédito consoante o regime de bens adotado.

PremiumDireção Geral de Saúde desaconselha tabaco eletrónico

Direção Geral de Saúde associa substâncias utilizadas nos líquidos do tabaco eletrónico a doenças pulmonares, remetendo para futuras medidas de Bruxelas. Do lado contrário, estão empresas como a Nerudia, que emprega cerca de 370 pessoas.
Comentários