Novo Banco com menos 129 trabalhadores e sete balcões desde o final de 2018

Segundo comunicado enviado hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) pelo Novo Banco, “os custos com pessoal totalizaram 200,6 milhões de euros (+0,6% em termos homólogos), tendo ocorrido uma redução de 129 colaboradores face a 31 de dezembro de 2018”.

Cristina Bernardo

O Novo Banco perdeu 129 trabalhadores e sete balcões desde o final do ano passado, de acordo com os dados hoje divulgados pelo banco liderado por António Ramalho, que aumentou os prejuízos para 572,3 milhões de euros até setembro.

Segundo comunicado enviado hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) pelo Novo Banco, “os custos com pessoal totalizaram 200,6 milhões de euros (+0,6% em termos homólogos), tendo ocorrido uma redução de 129 colaboradores face a 31 de dezembro de 2018”.

“Em 30 de setembro de 2019 o Grupo Novo Banco contava com 4 967 colaboradores”, revelou ainda a instituição que sucedeu ao Banco Espírito Santo (BES).

Já em termos de balcões, no final de setembro, o Novo Banco contava com um total de 395, uma descida de sete face aos registados no final de 2018.

No total, os custos operativos do Grupo Novo Banco reduziram-se em 0,5% para 361,8 milhões de euros, “reflexo das melhorias concretizadas ao nível da simplificação dos processos e da otimização de estruturas com a consequente redução no número de balcões e de colaboradores”.

De resto, os gastos gerais administrativos do Novo Banco reduziram-se em 13,6 milhões de euros nos primeiros três trimestres do ano face a igual período de 2018, tendo as amortizações aumentado em 10,7 milhões para 26,9 milhões de euros em igual intervalo temporal.

Segundo o Novo Banco, a adoção da norma contabilística IFRS 16 em 2019 “levou a um aumento nas amortizações e a um decréscimo nos gastos gerais administrativos em cerca de 15 milhões de euros”.

Ler mais
Relacionadas

Novo Banco agrava prejuízos no terceiro trimestre, perdas somam 572 milhões

O Grupo Novo Banco registou até setembro de 2019 um resultado líquido negativo de 572 milhões, contra um prejuízo de 391 milhões no período homólogo do ano anterior.
Recomendadas

Novo Banco confirma que a venda carteira de malparado Nata II foi autorizada pelo Fundo de Resolução

O banco confirma assim a notícia avançada hoje pelo Jornal Económico. O Novo Banco já registou nas contas a venda da carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.

PremiumFundo de Resolução autoriza venda do Nata II

Novo Banco já registou nas contas a venda da carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.

Regras da EBA sobre divulgação de malparado para bancos pequenos entram em vigor a 31 de dezembro

“O Conselho de Administração do Banco de Portugal aprovou a Instrução n.º 20/2019 que introduz no quadro normativo nacional as Orientações da Autoridade Bancária Europeia (EBA) sobre a divulgação de exposições não produtivas e exposições reestruturadas por parte das instituições de crédito menos significativas”, anuncia o supervisor bancário nacional.
Comentários