Novo Banco contrata investigadores privados para seguir Nuno Vasconcellos

O Novo Banco tomou esta decisão para recolher informação e material que possa ser utilização em eventuais ações judiciais de cobrança de dívias que a Ongoing deixou por pagar em Portugal

Para fazer o levantamento de todos os bens que possam estar ligados a Nuno Vasconcellos, o Novo Banco contratou equipas especializadas, incluindo detetives privados, para seguir o antigo gestor da insolvente Ongoing, noticia o “Correio da Manhã” esta sexta-feira, 28 de fevereiro.

O Novo Banco tomou esta decisão para recolher informação e material que possa ser utilização em eventuais ações judiciais de cobrança de dívias que a Ongoing deixou por pagar.

O Novo Banco chegou a incluir os créditos em dívida da Ongoing  no chamado Projeto Nata II (uma carteira de créditos do Novo Banco avaliada em 3,3 mil milhões de euros), mas, segundo o Correio da Manhã, o Fundo de Resolução travou a alienação da dívida.

A dívida da empresa de Vasconcellos, que entretanto rumou ao Brasil, ascendia a 493,5 milhões de euros. A Ongoing fez saber que, em Portugal, teria somente 7.500 euros para pagar dívidas reclamadas pelos credores, num valor de 1,3 mil milhões de euros.

Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários