Novo Banco encaixa 191 milhões com venda de carteira de crédito malparado

O projeto Nata 2 tem um valor original de 2.732 milhões de euros e um valor bruto contabilístico de 1.713 milhões de euros. Esta carteira inclui os créditos da Sogema, de Bernardo Moniz da Maia, e da Ongoing, de Nuno Vasconcellos.

Cristina Bernardo

O Novo Banco encaixou 191 milhões de euros com a venda da carteira de crédito malparado e ativos, com o nome de Projeto Nata 2.

A venda tinha sido avançada pela Bloomberg na quarta-feira e foi anunciada oficialmente pelo Novo Banco esta quinta-feira, 5 de setembro.

O projeto Nata 2 tem um valor original de 2.732 milhões de euros e um valor bruto contabilístico de 1.713 milhões de euros.

A carteira foi comprada pela Burlington Loan Management, “uma sociedade afiliada e aconselhada pela Davidson Kemper European Partners.

O banco presidido por António Ramalho adianta que a “carteira transacionada” está “sujeita a ajustamentos de perímetro usuais nestas transações até à sua concretização”.

Já o impacto direto desta venda na demonstração de resultados do Novo Banco “deverá ser de -106 milhões de euros em 2019”, segundo a instituição.

O Novo Banco “prevê que a transação se conclua nos próximos meses, assim que reunidas todas as condições necessárias à sua formalização”.

“Esta transação representa mais um importante passo no processo de desinvestimento de ativos não produtivos (NPA – non-performing assets) e permitirá acelerar a sua redução”, segundo o banco.

Conforme revelou o Jornal Económico em maio, na lista de créditos incobráveis nesta carteira de malparado estão os créditos da Sogema, de Bernardo Moniz da Maia, e da Ongoing, de Nuno Vasconcellos.

O crédito malparado da Sogema tem o valor indicativo de 540 milhões de euros (o que incluirá juros) e os créditos da Ongoing, de Nuno Vasconcellos e Rafael Mora, têm o valor indicativo de 350 milhões de euros, a que acresce 240 milhões em papel comercial da holding que era dona do Diário Económico. Estes são os maiores devedores no portefólio de crédito malparado que o Novo Banco pôs à venda este ano.

O ‘Projeto Nata 2’ conta com 60 a 70 créditos de grandes devedores , dos quais apenas um terço tem colaterais e garantias reais (cerca de 1.000 milhões),enquanto os restantes financiamentos não apresentam quaisquer garantias (unsecured). Cerca de um quinto dos créditos são de empresas fora de Portugal, a maioria em Cabo Verde. A maioria dos créditos representa construção e imobiliário, como escreveu o Jornal Económico em março.

Relacionadas

Davidson Kempner vence corrida à carteira de crédito malparado do Novo Banco

O fundo norte-americano bateu o fundo Bain, conquistando a carteira no valor de três mil milhões de euros, avança a Bloomberg. O negócio deverá ficar concluído esta semana. Esta carteira inclui os créditos da Sogema, de Bernardo Moniz da Maia, e da Ongoing, de Nuno Vasconcellos.

PremiumNovo Banco vende mil milhões de malparado da Sogema e Ongoing

Os dois maiores devedores incluídos no pacote de créditos incobráveis que o Novo Banco pôs à venda com o nome de Nata 2, são a Sogema (540 milhões) e a Ongoing (590 milhões).
Recomendadas

Julgamento de Ricardo Salgado volta a ser adiado (com áudio)

O julgamento foi adiado a pedido do Ministério Público e marcado para 6 de julho.

BES: Fundos internacionais lesados exigem ser ressarcidos ou boicotam recuperação europeia

Um grupo de investidores institucionais internacionais coordenado pelo fundo Attestor Capital, lesados em 2.000 milhões de euros no caso BES, quer que a Comissão Europeia (UE) resolva o caso, sob pena de não financiarem a recuperação económica pós-pandemia.

Novo Banco: PSD contraria Mourinho Félix quanto à retransmissão de obrigações de 2015

Acusando o antigo governante socialista de dizer “coisas que contradizem os factos”, Hugo Carneiro contrariou a versão de Mourinho Félix quanto à subida dos juros após a retransmissão de obrigações em 2015, dizendo que esta aconteceu sim após a apresentação do Orçamento do Estado de 2016.
Comentários