PremiumNovo Banco lança “Projeto Sertorius” para a venda de imóveis de 500 milhões de euros

O banco enviou aos investidores o anúncio da alienação de um novo portfólio de imóveis. A meta é fechar a venda até ao fim de junho.

O Novo Banco enviou aos investidores o anúncio de lançamento de um novo portefólio de ativos imobiliários com o valor contabilístico bruto de 500 milhões de euros, e composto por 200 ativos, revelou fonte ao Jornal Económico (JE). A carteira consiste principalmente (cerca de dois terços) em terrenos não edificados e alguns ativos imobiliários industriais. Mas há também alguns imóveis residenciais e comerciais. A maioria concentrados em Lisboa e Setúbal.

Esta é a segunda venda de um portefólio de imóveis recebidos por incumprimento de crédito, depois de o banco ter vendido o Projeto Viriato, com um desconto de 45% face ao valor contabilístico bruto de 716,7 milhões de euros. Recorde-se que o Novo Banco acordou, em outubro, a venda de uma carteira composta por quase 9.000 imóveis a fundos da Anchorage Capital Group por 388,9 milhões de euros, e que incluiu ativos imobiliários maioritariamente residenciais, mas também alguns imóveis industriais, comerciais e terrenos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Adeus, caderneta bancária. Levantamentos de dinheiro acabam este sábado

Esta medida é uma consequência direta da entrada em vigor das novas regras europeias, que exigem mais segurança nas operações bancárias. Clientes do Montepio Geral, Caixa Geral de Depósitos e Crédito Agrícola vão ter de passar a usar somente o cartão de débito para levantar dinheiro.

Sindicatos bancários aplaudem “papel responsável” da DGERT e dizem que negociação para 2019 com o BCP “não está fechada”

Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários, Sindicato dos Bancários do Norte e Sindicato Independente da Banca asseguram que não voltarão “a baixar os braços” porque pediram 2,38% de atualização de tabelas e cláusulas pecuniárias e o banco retorquiu com 0,6%.
Comentários