PremiumNovo Banco tem três propostas de compra para a Herdade do Pinheirinho

O Novo Banco já recebeu, pelo menos, três propostas não vinculativas para a Herdade do Pinheirinho. Entretanto o prazo para a entrega das propostas vinculativas para o “Nata 2” passou para dia 12.

O Novo Banco já recebeu três propostas não vinculativas (non-binding offers) para a compra da Herdade do Pinheirinho, sabe o Jornal Económico. Esses três candidatos já assinaram o Non-Disclosure Agreement (acordo de confidencialidade que é condição para dar acesso à informação detalhada). Mas há pelo menos mais um interessado, o empresário brasileiro Ricardo Bellino, em parceria com o grupo Ralph Lauren, que assumiu recentemente o interesse em declarações à revista Visão.

Apesar da apresentação de propostas estar vinculada a um acordo de confidencialidade, o empresário brasileiro Ricardo Bellino, em parceria com o grupo Ralph Lauren, anunciou à Visão que está na corrida à compra do Pinheirinho, com uma proposta cujo investimento ronda os 100 milhões de euros. O empresário brasileiro explicou que o projeto imobiliário teria três focos: golfe, equitação e cultura.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Adeus, caderneta bancária. Levantamentos de dinheiro acabam este sábado

Esta medida é uma consequência direta da entrada em vigor das novas regras europeias, que exigem mais segurança nas operações bancárias. Clientes do Montepio Geral, Caixa Geral de Depósitos e Crédito Agrícola vão ter de passar a usar somente o cartão de débito para levantar dinheiro.

Sindicatos bancários aplaudem “papel responsável” da DGERT e dizem que negociação para 2019 com o BCP “não está fechada”

Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários, Sindicato dos Bancários do Norte e Sindicato Independente da Banca asseguram que não voltarão “a baixar os braços” porque pediram 2,38% de atualização de tabelas e cláusulas pecuniárias e o banco retorquiu com 0,6%.
Comentários