Novo Banco vai ter de pedir mais dinheiro ao Fundo de Resolução devido à Covid-19

O presidente do banco justifica a necessidade de mais capital face ao que estava previsto no início deste ano devido à pandemia da Covid-19. Apesar de ser relativa a este ano, a injeção de capital só será realizada em 2021.

Cristina Bernardo

O Novo Banco vai ter de pedir mais dinheiro ao Fundo de Resolução, face ao que estava previsto no início deste ano, devido à pandemia da Covid-19. A injeção de capital só terá lugar em 2021, apesar de ser relativa a este ano.

Em entrevista ao Jornal de Negócios/Antena 1, o presidente do Novo Banco disse que vai ser preciso mais capital este ano. “Do que era a previsão no início do ano, antes do Covid, sim”, disse António Ramalho na entrevista divulgada este sábado quando questionado sobre se iria ser preciso pedir mais dinheiro.

O gestor não quis avançar com qualquer número neste momento sobre qual o valor de capital necessário. “Tenho sido sempre cauteloso não antecipar qualquer numero. Acontece basicamente que houve uma deterioração da situação económica e é previsível que, no nível de cenário que temos hoje, nos vá levar a necessidades de capital ligeiramente suplementares em relação às que existiam”, afirmou.

Já no domingo, o Novo Banco emitiu um comunicado a esclarecer que “qualquer eventual nova chamada de capital referente a necessidades de 2020, de acordo com o atual modelo, será feita em 2021, após aprovação das contas auditadas, após parecer da Comissão de Acompanhamento e verificadas com agente independente”.

Na entrevista à Antena 1/Jornal de Negócios, o presidente do Novo Banco sublinhou que o banco tem uma “proteção de capital aos 12%, uma proteção de capital contratualizada,  temos de esperar ate ao fim do ano para saber esse valor”.

“O nosso objetivo fundamental é deixar o banco totalmente limpo no final de 2020. Gostaria de utilizar o menos capital necessário desde que tenha a certeza que o banco ficou nas melhores condições”, garantiu o presidente do Novo Banco na entrevista.

O Novo Banco ainda tem disponíveis 912 milhões de euros no Mecanismo de Capital Contingente para a recapitalização da instituição.

Na entrevista ao Jornal de Negócios/Antena 1, o gestor afirmou que quer limpar o balanço do banco este ano e regressar aos lucros já no próximo ano

Questionado sobre a contribuição adicional de solidariedade da banca para a Segurança Social, prevista no Orçamento suplementar, António Ramalho disse que esta taxa representa um “desgaste desnecessário” para o banco e o setor.

Segundo os dados avançados na entrevista, o Novo Banco já concedeu seis mil milhões de euros em moratórias. Nas linhas de crédito com garantia do Estado para apoio às empresas, o banco já tem mais de 1,2 mil milhões de euros aprovados.

Recomendadas

Caixa Geral de Depósitos aumenta lucros para 294 milhões de euros

No primeiro semestre, o resultado líquido consolidado da CGD atingiu 294 milhões de euros (249 milhões no período homólogo). O banco revela ainda a “continuação do reforço de imparidades de crédito em 90,2 milhões de euros em base preventiva dos potenciais efeitos da crise pandémica”.

Banco Montepio com 2,7 mil milhões de euros de crédito em moratória

Sem detalhar o peso no total da carteira, o Banco Montepio diz que concedeu 35 mil moratórias que totalizaram 2,7 mil milhões de euros com referência a 30 de junho de 2021, “evidenciando uma redução de 16% face ao final de 2020”.

Banco Montepio melhora prejuízos para 33 milhões no semestre

O banco liderado por Pedro Leitão regista uma variação positiva nos resultados no montante de 18 milhões de euros em junho. Mas produto bancário cai 12%. O rácio NPE (malparado) melhorou para 9,3%, face aos 12% do ano passado.
Comentários