Novo Banco vai usar 900 milhões de euros do Mecanismo de Capital Contingente? Ramalho não responde

Presidente do Novo Banco remeteu decisão para o final do ano, sustentando que apenas nessa altura será possível compreender as necessidades de capital.

António Ramalho | Cristina Bernardo

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, recusou-se a esclarecer se o banco irá utilizar a totalidade dos 900 milhões de euros disponíveis através do Mecanismo de Capital Contingente, justificando que apenas no final do ano terá a fotografia das necessidades de capital.

Questionado pelo deputado André Ventura, do Chega!, na audição na Comissão de Orçamento e Finanças (COF), no Parlamento, António Ramalho, afirmou eu “não lhe irei responder” porque “o sistema funciona só no final do ano. Funcionaremos no final do ano, em função daquilo que forem as necessidades de capital adequadas”.

Apesar disso, António Ramalho já tinha admitido, em entrevista ao Jornal de Negócios, que a pandemia iria obrigar o Novo Banco a rever em alta a previsão que tinha apresentado no início do ano ao Fundo de Resolução sobre as suas necessidades de capital em 2020. A possibilidade foi reforçada no fim-de-semana passado, quando não excluiu o cenário de que o banco que lidera venha a receber uma nova injeção de capital do Estado português, segundo uma entrevista concedida ao “Dinheiro Vivo” e à rádio TSF.

“Não ponho de parte nenhum cenário. Importa dizer aos portugueses que é mais útil – nesta altura em que temos capacidade de financiar -, financiar o Novo Banco para que ele fique bom e, no próximo ano, contar com o financiamento e a resposta e a devolução do Novo Banco para dar à sociedade estas respostas”, afirmou António Ramalho, na entrevista publicada no sábado.

“Claro que as pessoas não gostam de saber que esta capitalização [do Novo Banco] foi feita às prestações”, acrescentou o banqueiro, que criticou o facto de a capitalização do Novo Banco não ter sido como a da Caixa Geral Depósitos ou a do Banif.

Na totalidade, o Novo Banco já pediu ao Fundo de Resolução perto de 2,9 mil milhões de euros do total de 3,89 mil milhões, no âmbito do Mecanismo de Capital Contingente.

Ler mais
Relacionadas

Presidente do Novo Banco diz que vendas de imóveis com crédito “é normal e legal”

António Ramalho defende que venda de imóveis com crédito ao comprador é uma prática de todos os bancos, numa referência à carteira Viriato com mais de cinco mil prédios que foram alienados com crédito a um fundo e com hipoteca dos bens até à amortização da dívida.

Novo Banco: Auditoria à reestruturação da dívida de Luís Filipe Vieira ainda está a decorrer

O Fundo de Resolução pediu uma auditoria específica à reestruturação da dívida de Luís Filipe Vieira, que segundo António Ramalho ainda está em curso.

António Ramalho: “Empréstimo para compra dos imóveis fez subir o preço de venda em 6% a 7%”

A carteira de imóveis que o Novo Banco herdou do BES era “má, velha e ilegal”, disse Ramalho. Má porque apenas 14% era residencial, 43% eram terrenos dos quais uma grande parte agrícola (20%). Era velha porque tinham imóveis com mais de 5 anos (35%), mais de dois terços vinham do BES e tinha 100 imóveis com mais de 20 anos, o que é ilegal porque o banco tem de vender os imóveis em dois anos, segundo os reguladores”, explicou o CEO.
Recomendadas

Deutsche Bank estima que PIB mundial volte a níveis pré-Covid em meados de 2021

Apesar do tom otimista, o banco alemão também mostra receios sobre as segundas vagas do coronavírus nos Estados Unidos e na Europa, que estão a aumentar a incerteza sobre as perspetivas económicas.
Braga de Macedo, Nuno Cassola

Jorge Braga de Macedo e Nuno Cassola: “Alimentou-se a ilusão que o sistema bancário era sólido”

“Por onde vai a banca em Portugal?” é o novo livro de Jorge Braga de Macedo, Nuno Cassola e Samuel da Rocha Lopes, editado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos . Os dois primeiros falaram ao Jornal Económico, em entrevista, sobre o passado, a gestão, a supervisão e o futuro do setor.

Grandes bancos continuam a facilitar branqueamento de capitais

“Os lucros das guerras mortíferas da droga, as fortunas desviadas de países em desenvolvimento e as economias duramente ganhas e roubadas através do esquema de pirâmide Ponzi têm sido capazes de entrar e sair das instituições financeiras, apesar dos avisos dos próprios funcionários dos bancos”, detalha a investigação realizada por 108 media internacionais, de 88 países.
Comentários