Novo confinamento geral. Lay-off simplificado automático para empresas obrigadas a encerrar

O comércio vai ter de encerrar portas, salvo os supermercados e mercearias ou farmácias. Bares, cafés e restaurantes também encerram ao público, sendo permitido somente o take-away ou entrega ao domicílio.

As empresas obrigadas a encerrar portas devido ao novo confinamento geral vão ter acesso automático ao lay-off simplificado, disse hoje o primeiro-ministro.

“As medidas económicas vão ser renovadas e alargadas. Todas as atividades que são encerradas terão acesso automático ao lay-off simplificado”, anunciou hoje António Costa.

Segundo as regras decididas hoje pelo Governo, os restaurantes, bares e cafés vão encerrar a partir de sexta-feira durante 15 dias, com os restaurantes a poderem operar em regime de take-away ou entrega ao domicílio.

Já o comércio vai ter que encerrar, salvo os estabelecimentos autorizados, como as mercearias e supermercados que vão poder ficar de portas abertas, mas com a lotação a ser limitadas a cinco pessoas por 100 metros quadrados.

Por sua vez, os consultórios, dentistas e farmácias vão poder continuar em funcionamento.

O Estado de Emergência vigora das 00h00 do dia 15 de janeiro, próxima sexta-feira, até às 23h59 do dia 30 de janeiro.

Dez meses depois do início da pandemia no país, Portugal ultrapassou hoje a barreira do meio milhão de infetados, com um 507.108 casos confirmados de Covid-19, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS). Nas últimas 24 horas foram também batidos dois recordes diários: o número de novos casos diários atingiu 10.556 novos casos, e o número de vítimas mortais atingiu as 156 pessoas, para um total de 8.236.

Ler mais

Relacionadas

Aulas e missas continuam. Cabeleireiros fechados. Estas são as medidas do novo confinamento

António Costa anunciou esta quarta-feira as normas que entram em vigor a partir das 00h00 de sexta-feira 15 de janeiro até às 23h50 do dia 30 de janeiro.

Não usa máscara? Coimas vão duplicar para mil euros durante novo Estado de Emergência

o Governo decidiu hoje as novas medidas que vão vigorar até ao final do mês de janeiro no âmbito do novo Estado de Emergência.

“Medidas deverão manter-se no horizonte de um mês”, garante António Costa

“Lei obriga a que as medidas sejam revistas de 15 em 15 dias, resultados só são visíveis com um prazo de duas a três semanas. Seria iludir os portugueses dizer que as medidas serão aliviadas dentro de 15 dias”, realçou António Costa.

Teletrabalho volta a ser obrigatório mesmo sem implicar acordo entre empresa e trabalhador

O Conselho de Ministros anunciou hoje as novas medidas que vão vigorar até ao final do mês de janeiro no âmbito do novo Estado de Emergência.

“Regra é ficar em casa”. António Costa anuncia confinamento geral a partir de 00h00 de sexta-feira

Após reunião do Conselho de Ministros, António Costa anunciou o endurecimento das medidas de restrição para conter os contágios por Covid-19. Medidas irão entrar em vigor às 0h00 de 15 de janeiro.
Recomendadas

Pandemia levou a tombo de 14,8% na atividade económica regional entre março e novembro de 2020

Dados do INE, revelados esta sexta-feira, revelaram que no conjunto das regiões portuguesas, a atividade económica tombaram significativamente. Algarve Madeira e Área Metropolitana de Lisbao viram a atividade económica cair mais do que a média nacional. Maiores tombos verificaram-se em atividades de alojamento e atividades artísticas, desportivas e recreativas.

Barómetro ACEGE: Apoios à TAP e empresas afetadas pela pandemia preocupam empresários

Respostas dos empresários e gestores associados do barómetro de janeiro da ACEGE, numa parceria com o Jornal Económico, a Rádio Renascença e a Netsonda, revelam preocupação com efeitos da Covid-19. Mas também sinais de otimismo quanto à evolução das suas empresas e à manutenção dos postos de trabalho.

Exportações de bens da zona euro cresceram para 197 mil milhões de euros em novembro

A zona euro registou um excedente de 25,8 mil milhões de euros em novembro de 2020 no comércio de bens com o resto do mundo. Exportações de bens começam a dar sinais de “um retorno aos níveis pré-Covid”.
Comentários