Novo confinamento geral. Lay-off simplificado automático para empresas obrigadas a encerrar

O comércio vai ter de encerrar portas, salvo os supermercados e mercearias ou farmácias. Bares, cafés e restaurantes também encerram ao público, sendo permitido somente o take-away ou entrega ao domicílio.

As empresas obrigadas a encerrar portas devido ao novo confinamento geral vão ter acesso automático ao lay-off simplificado, disse hoje o primeiro-ministro.

“As medidas económicas vão ser renovadas e alargadas. Todas as atividades que são encerradas terão acesso automático ao lay-off simplificado”, anunciou hoje António Costa.

Segundo as regras decididas hoje pelo Governo, os restaurantes, bares e cafés vão encerrar a partir de sexta-feira durante 15 dias, com os restaurantes a poderem operar em regime de take-away ou entrega ao domicílio.

Já o comércio vai ter que encerrar, salvo os estabelecimentos autorizados, como as mercearias e supermercados que vão poder ficar de portas abertas, mas com a lotação a ser limitadas a cinco pessoas por 100 metros quadrados.

Por sua vez, os consultórios, dentistas e farmácias vão poder continuar em funcionamento.

O Estado de Emergência vigora das 00h00 do dia 15 de janeiro, próxima sexta-feira, até às 23h59 do dia 30 de janeiro.

Dez meses depois do início da pandemia no país, Portugal ultrapassou hoje a barreira do meio milhão de infetados, com um 507.108 casos confirmados de Covid-19, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS). Nas últimas 24 horas foram também batidos dois recordes diários: o número de novos casos diários atingiu 10.556 novos casos, e o número de vítimas mortais atingiu as 156 pessoas, para um total de 8.236.

Relacionadas

Aulas e missas continuam. Cabeleireiros fechados. Estas são as medidas do novo confinamento

António Costa anunciou esta quarta-feira as normas que entram em vigor a partir das 00h00 de sexta-feira 15 de janeiro até às 23h50 do dia 30 de janeiro.

Não usa máscara? Coimas vão duplicar para mil euros durante novo Estado de Emergência

o Governo decidiu hoje as novas medidas que vão vigorar até ao final do mês de janeiro no âmbito do novo Estado de Emergência.

“Medidas deverão manter-se no horizonte de um mês”, garante António Costa

“Lei obriga a que as medidas sejam revistas de 15 em 15 dias, resultados só são visíveis com um prazo de duas a três semanas. Seria iludir os portugueses dizer que as medidas serão aliviadas dentro de 15 dias”, realçou António Costa.

Teletrabalho volta a ser obrigatório mesmo sem implicar acordo entre empresa e trabalhador

O Conselho de Ministros anunciou hoje as novas medidas que vão vigorar até ao final do mês de janeiro no âmbito do novo Estado de Emergência.

“Regra é ficar em casa”. António Costa anuncia confinamento geral a partir de 00h00 de sexta-feira

Após reunião do Conselho de Ministros, António Costa anunciou o endurecimento das medidas de restrição para conter os contágios por Covid-19. Medidas irão entrar em vigor às 0h00 de 15 de janeiro.
Recomendadas

Exportações de componentes automóveis sobem para 788 milhões de euros em abril

Nos primeiros quatro meses deste ano, Espanha manteve-se na liderança, com vendas no valor de 1.000 milhões de euros (+34,9%), seguida da Alemanha, com 679 milhões de euros (+24,5%), da França, com 424 milhões de euros (+27,5%) e, por fim, do Reino Unido.

Fatura da eletricidade no mercado regulado sobe a partir de julho. Subida pode atingir três euros

A subida deve-se a um aumento do preço grossista no mercado ibérico. Para os consumidores com uma potência contratada de 3,45 kVA, a atualização representa mais 1,05 euros na fatura média mensal. No caso dos consumidores com uma potência de 6,9 KVA a subida pode atingir os 2,86 euros.

Banco de Espanha revê em alta previsão de crescimento do país para 6,2% em 2021

A instituição publicou esta segunda-feira o seu relatório trimestral sobre a economia espanhola no qual indica que a melhor evolução da economia está ligada à menor incidência da pandemia de covid-19, ao progresso da vacinação e a uma maior absorção dos fundos europeus.
Comentários