Novo confinamento geral. Lay-off simplificado automático para empresas obrigadas a encerrar

O comércio vai ter de encerrar portas, salvo os supermercados e mercearias ou farmácias. Bares, cafés e restaurantes também encerram ao público, sendo permitido somente o take-away ou entrega ao domicílio.

As empresas obrigadas a encerrar portas devido ao novo confinamento geral vão ter acesso automático ao lay-off simplificado, disse hoje o primeiro-ministro.

“As medidas económicas vão ser renovadas e alargadas. Todas as atividades que são encerradas terão acesso automático ao lay-off simplificado”, anunciou hoje António Costa.

Segundo as regras decididas hoje pelo Governo, os restaurantes, bares e cafés vão encerrar a partir de sexta-feira durante 15 dias, com os restaurantes a poderem operar em regime de take-away ou entrega ao domicílio.

Já o comércio vai ter que encerrar, salvo os estabelecimentos autorizados, como as mercearias e supermercados que vão poder ficar de portas abertas, mas com a lotação a ser limitadas a cinco pessoas por 100 metros quadrados.

Por sua vez, os consultórios, dentistas e farmácias vão poder continuar em funcionamento.

O Estado de Emergência vigora das 00h00 do dia 15 de janeiro, próxima sexta-feira, até às 23h59 do dia 30 de janeiro.

Dez meses depois do início da pandemia no país, Portugal ultrapassou hoje a barreira do meio milhão de infetados, com um 507.108 casos confirmados de Covid-19, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS). Nas últimas 24 horas foram também batidos dois recordes diários: o número de novos casos diários atingiu 10.556 novos casos, e o número de vítimas mortais atingiu as 156 pessoas, para um total de 8.236.

Ler mais

Relacionadas

Aulas e missas continuam. Cabeleireiros fechados. Estas são as medidas do novo confinamento

António Costa anunciou esta quarta-feira as normas que entram em vigor a partir das 00h00 de sexta-feira 15 de janeiro até às 23h50 do dia 30 de janeiro.

Não usa máscara? Coimas vão duplicar para mil euros durante novo Estado de Emergência

o Governo decidiu hoje as novas medidas que vão vigorar até ao final do mês de janeiro no âmbito do novo Estado de Emergência.

“Medidas deverão manter-se no horizonte de um mês”, garante António Costa

“Lei obriga a que as medidas sejam revistas de 15 em 15 dias, resultados só são visíveis com um prazo de duas a três semanas. Seria iludir os portugueses dizer que as medidas serão aliviadas dentro de 15 dias”, realçou António Costa.

Teletrabalho volta a ser obrigatório mesmo sem implicar acordo entre empresa e trabalhador

O Conselho de Ministros anunciou hoje as novas medidas que vão vigorar até ao final do mês de janeiro no âmbito do novo Estado de Emergência.

“Regra é ficar em casa”. António Costa anuncia confinamento geral a partir de 00h00 de sexta-feira

Após reunião do Conselho de Ministros, António Costa anunciou o endurecimento das medidas de restrição para conter os contágios por Covid-19. Medidas irão entrar em vigor às 0h00 de 15 de janeiro.
Recomendadas

Mais de mil famílias aguardam ainda resposta do IHRU sob apoios às rendas, reconhece secretária de Estado

A baixa adesão a estas medidas de apoio é justificada com a tentativa dos inquilinos de, face a algum rendimento disponível, honrarem os seus compromissos junto dos senhorios, segundo a secretária de Estado. Outras políticas como o Programa de Rendas Acessíveis também não têm tido o impacto desejado, reconhece.
Senado dos Estados Unidos

EUA: Senado aprova novo pacote de estímulos de 1,9 biliões de dólares

O voto duramente partidário resultou na aprovação, após longas negociações, de um novo pacote de estímulos à economia mais afetada no mundo pela Covid-19 que coloca a resposta pandémica em 4,95 biliões de euros até agora.

Madeira quer estar incluída no Banco de Fomento até final do mês

O vice-presidente do executivo madeirense considerou que “se há uma ajuda comunitária à constituição de um banco de fomento para servir a nível nacional, não faz qualquer sentido as regiões não estarem lá representadas”.
Comentários