Novo emprego em tempo de pandemia? 35% dos trabalhadores admite mudar

Segundo um estudo da Kaspersky, os dois maiores motivos referidos para esta mudança de carreira são “naturais e compreensíveis”, pois incluem receber um salário mais elevado (49%) e manter um equilíbrio justo entre o trabalho e a vida pessoal (41%).

Britain’s Prime Minister Theresa May greets the President of the European Parliament Martin Schultz outside 10 Downing Street in London, September 22, 2016. REUTERS/Stefan Wermuth

Numa altura em que a economia mundial continua a sentir os impactos da pandeia e o mercado de trabalho atravessa um período de incerteza, o número de trabalhadores que considera mudar a sua trajetória no profissional.

De acordo com um estudo conduzido pela Kaspersky, intitulado “Securing the Future of Work”, 35% dos trabalhadores pensam em mudar de emprego nos próximos 12 meses contra 48% que prefere permanecer na sua posição atual. De acordo com os resultado, a intenção de mudar de emprego resulta do confinamento e ao trabalho à distância, uma vez que os trabalhadores têm mais tempo para refletir sobre as suas carreiras futuras, com o objetivo de melhorar ou aprender algo novo.

Independentemente do percurso escolhido, o que surge como maior motivação para procurarem um novo emprego é conseguir um melhor salário (49%). Criar um melhor equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal é a segunda razão mais apontada, segundo 41% dos inquiridos. “A pandemia revelou os benefícios de passar mais tempo em casa com a família, bem como de perseguir interesses e passatempos pessoais – e, agora, os trabalhadores podem querer continuar a beneficiar destas oportunidades”, lê-se no comunicado divulgado, esta quarta-feira.

Os resultados do inquérito avançam ainda que, depois do salário e do conforto pessoal, procurar um emprego que valha a pena e que seja ainda mais significativo é a terceira razão mais apontada (35%) pelos inquiridos. “Isto acontece, porque, provavelmente, os acontecimentos de 2020 permitiram repensar as funções atuais e perceber o valor do tempo, bem como a forma como queremos gastá-lo”, informa a nota.

Sergey Martsynkyan, Head of B2B Product Marketing da Kaspersky, considera que repensar as ambições e capacidades, faz com que as pessoas desejem “criar uma nova realidade de trabalho”. “Quer mudando de emprego ou permanecendo nas suas funções atuais, esforçar-se-ão por manter os benefícios do trabalho à distância e de ambientes mais confortáveis”, explica o responsável.

Recomendadas

DECO junta-se ao REFIL para incentivar reutilização de embalagens

Apesar de já se encontrar previsto o comércio de bebidas em embalagens reutilizáveis e de produtos a granel, os consumidores ainda não beneficiam de um mercado que lhes permita adquirir, nestes moldes, produtos de limpeza e higiene pessoal, forçando-os a optar por novas embalagens e aumentando, assim, a sua produção de resíduos, colocando em causa as metas portuguesas da sustentabilidade.

Fim da isenção de ISV para ligeiros de mercadorias recebida com desagrado pela ACAP

A Associação Automóvel de Portugal recebeu com desagrado o fim da isenção do Imposto sobre Veículos de mercadorias a partir de julho, medida que aumentará os custos em cerca de 3 mil euros, apenas em ISV.

Portugal com 6.º preço de gasolina mais caro da UE no primeiro trimestre

A carga fiscal aplicada em Portugal (63%) justificou integralmente a menor competitividade dos preços, tendo praticado um valor superior à média registada na UE (60%), em Espanha (55%), na Alemanha (61%) e na Bélgica (62%).
Comentários