Novo fundo europeu de 20 milhões vai apoiar PME portuguesas no registo de propriedade intelectual

O novo fundo europeu destina-se ao apoio do financiamento de registo de marcas e desenhos das pequenas e médias empresas, com um financiamento de 20 milhões de euros. “Trata-se de excelente oportunidade para as PME portuguesas”, refere porta-voz da consultora Inventa International ao Jornal Económico.

As pequenas e médias empresas (PME) portuguesas vão poder usufruir de um novo fundo europeu para o registo de marcas e desenhos. Desenvolvido pelo Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO) e pela Comissão Europeia, este apoio constitui, assim, uma ajuda financeira direta através de reembolsos de 50% das despesas, sendo que cada PME poderá receber até um valor máximo de 1.500 euros.

Ao Jornal Económico, o agente oficial de propriedade industrial da Inventa International explica que uma PME portuguesa poderá registar, em Portugal, por perto de 64 euros e na União Europeia por 425 euros, uma marca para uma classe de produtos ou serviços.

O registo tem a duração de dez anos, mas pode ser sucessivamente renovado pelo mesmo período. Cada entidade só se pode candidatar a uma determinada fase do referido apoio, uma vez que não são permitidos duplos reembolsos. Desta forma, se a candidatura não for aceite, a empresa em questão não poderá voltar a apresentar o pedido de apoio para o registo de outra marca.

Luís Caixinhas considera que este fundo é uma “excelente oportunidade para as PME portuguesas” uma vez que “esta ajuda tem, precisamente, como objetivo ajudar as PME sediadas na União Europeia a recuperarem” dos impactos da pandemia. Esta ajuda é feita através da proteção dos seus ativos de propriedade intelectual, concretamente na proteção das marcas e dos desenhos ou modelos (proteção do design de produtos), para permitir que seja feito um relançamento criativo e económico pós-Covid assente em bases sólidas de proteção jurídica.

Desde a entrada em vigor deste fundo, a empresa portuguesa especializada em consultoria de propriedade intelectual, já recebeu “muitos pedidos de informações” e estima que na primeira fase de candidaturas, que se realizará entre 1 e 31 de março, “existirão muitas PME a nível nacional interessadas em apresentar candidaturas ao fundo”.

“Os registos na União Europeia têm taxas elevadas mas também são muito valiosos conferindo proteção das marcas nos 27 Estados-Membros, entre eles Espanha, França e Alemanha, que são mercados estratégicos para as exportações das PME portuguesas.

As candidaturas estão disponíveis em formato online, sendo sujeitas a aprovação da informação e documentação apresentadas. Este processo irá decorrer em cinco fases, sendo que a primeira decorreu no passado mês de janeiro. A próxima fase irá ocorrer durante o próximo mês de março, estando as seguintes perspetivadas para os próximos meses de maio, julho e setembro.

Ler mais
Recomendadas
Miguel Maya

CaixaBank espera lucros de 48 milhões do BCP apesar da provisões para créditos em francos suíços na Polónia

Apesar das provisões de 121 milhões por causa dos créditos hipotecários em francos suíços, o CaixaBank estima que o BCP apresente resultados líquidos no primeiro trimestre de 48 milhões de euros.

Galp distribui dividendo de 35 cêntimos a partir de 20 de maio

A Galp anuncia que aos acionistas que os dividendos se encontram a pagamento a partir do dia 20 de maio de 2021, com as ações a entrarem em ex-dividendo no dia 18. A “record date é a 19 de maio de 2021”, disse a empresa.

Holding da família Queiroz Pereira comprou mais 0,02% da Semapa

A Sodim, SGPS comunicou à Semapa – Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, “que hoje adquiriu em bolsa 1.816 acções, representativas de 0,002% do capital social da Semapa”.
Comentários