Novo movimento critica construções das torres de Picoas e da Portugália e projetos para Praça de Espanha e Entrecampos

Movimento critica a construção da Torre de Picoas, o projeto desenhado para o quarteirão da Portugália na Avenida Almirante Reis, a construção de “edifícios imponentes” na Praça de Espanha e o licenciamento do projeto para Entrecampos.

Plano para Portugália Plaza

Existe um novo movimento contra as construções na capital portuguesa. “Lisboa Precisa” foi criado por Carlos Marques, antigo vice-presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, e Fernando Nunes da Silva, antigo vereador da Mobilidade da Câmara de Lisboa.

Com a construção de diversos projetos imobiliários, o movimento diz que a capital portuguesa corre o risco “de matar a galinha de ovos de ouro do turismo”

Em entrevista à agência Lusa, Carlos Marques afirmou que a criação do movimento se prendeu pois “há muita coisa errada na cidade de Lisboa e o caminho que está a seguir a cidade de Lisboa”, sendo que este caminho pode levar à descaracterização da capital.

Para já, o único objetivo é alertar os cidadãos para o que a cidade precisa. “Hoje, Lisboa está a ser comandada pelos grandes interesses económicos globais”, que estão a investir milhões de euros na cidade “para construir torres, transformar a cidade numa cidade descaracterizada que não seja a cidade antiga e, com isso, corre-se o risco de matar a galinha de ovos de ouro do turismo”, assumiu.

O ‘Lisboa Precisa’ deverá organizar debates temáticos sobre os mais variados temas, que deverão englobar o ambiente, aeroporto, urbanismo, transportes e mobilidade, após as eleições legislativas. Além de Carlos Marques e de Fernando Nunes da Silva, Pedro Soares e Jorge Falcato do Bloco de Esquerda, o politólogo André Freire, Otelo Saraiva de Carvalho, geógrafo Jorge Malheiros. e a historiadora Raquel Varela são outros subscritores deste movimento.

O movimento critica vários projetos, como a construção da Torre de Picoas, o projeto desenhado para o quarteirão da Portugália na Avenida Almirante Reis, a construção de “edifícios imponentes” na Praça de Espanha e o licenciamento do projeto para Entrecampos.

Além destes, “somos contra a expulsão violenta dos lisboetas das suas casas, para colocar Lisboa no topo do alojamento local, tornando Lisboa uma cidade cada vez mais para ricos e turistas”, avança o grupo na sua página do Facebook. “Somos contra o perdão de dois milhões de euros de IMT e IMI a um fundo especulativo, só por recuperar um edifício na Avenida da Liberdade”.

“Somos contra a existência de uma empresa de carácter privado, mas com capital 100% da Câmara Municipal de Lisboa, que actua como uma Câmara dentro da Câmara, mas com plenos poderes urbanísticos sem controlo do plenário da Câmara Municipal e do órgão soberano do controle do município, a Assembleia Municipal de Lisboa”, acrescentam.

Recomendadas

PremiumDavidson Kempner à frente na corrida aos fundos da ECS Capital

Concurso para a venda dos fundos de reestruturação dos bancos geridos pela ECS, designado de “Projecto Crow”, tem um candidato melhor posicionado, mas há detalhes que podem virar o resultado.

Nova torre de Campolide já tem mais de 100 apartamentos vendidos. 70% dos clientes são portugueses

Cerca de 70% das vendas dizem respeito a clientes portugueses, sendo que as restantes nacionalidades variam entre cidadãos do Médio Oriente, Inglaterra, Estados Unidos, Brasil e Angola. Projeto da Vanguard Properties engloba 195 apartamentos numa torre de 26 andares.

Ikea fecha ano fiscal com vendas de 462 milhões em Portugal

Este valor representa um crescimento de 5% em relação ao ano anterior. Vendas feitas através da loja online equivaleram a 23% da receita total.
Comentários