Novos comboios para a CP só devem chegar em 2023

Plano de investimento está à espera de aprovação pelo Governo e implica um investimento de 170 milhões de euros.

Carlos Gomes Nogueira, presidente da CP, assegurou há minutos, na audição que está a decorrer na Assembleia da República, na Comissão Parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, que os novos comboios que serão adquiridos para a transportadora ferroviária nacional só deverão entrar em funcionamento em 2023, na melhor das hipóteses.

“O conselho de administração da CP apresentou ao Governo um plano de investimento para aquisição de material circulante no valor de 170 milhões de euros. Estamos à espera da aprovação do Governo a qualquer momento, para abrir o concurso público internacional”, revelou Carlos Gomes Nogueira.

Sobre este assunto, o presidente da CP adiantou que estão em causa 22 unidades para o serviço regional, das quais híbridas, para funcionar em troços eletrificados e não eletrificados, mais dez unidades elétricas.

“Estamos a falar há muito tempo, em conversas detalhadas com os cinco fabricantes europeus de material circulante ferroviário, os alemães da Siemens, os franceses da Alstom, os suíços da Stadler e os espanhóis da CAF e da Talgo. Temos feito o nosso trabalho de casa. Mas, neste momento, o primeiro comboio comprado só deverá estar em funcionamento em 2023”, revelou Carlos Gomes Nogueira.

O presidente da CP explicou como é que situação degradada do material circulante da transportadora ferroviária vai ser resolvida: “como é que vamos viver até lá, até 2023, 2024? Vamos intensificar os alugueres de comboios à Renfe”, assegurou.

Recomendadas

Conheça as mulheres que estão a dar cartas no negócio dos vinhos em Portugal

JE conta a história de Leonor Freitas, da Casa Ermelinda Freitas, Olga Martins, da Lavradores de Feitoria, Rita Nabeiro, da Adega Mayor, Filipa Pato, da Pato e Wouters, e Luísa Amorim, da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo e Quinta da Taboadella.

Travão de apoio ao Novo Banco é um “número de circo, mas não viola a Constituição”, diz fiscalista

A anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco, aprovada no Orçamento do Estado, não é inconstitucional, mas “gerará responsabilidade civil”, disse o antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Rogério Fernandes Ferreira, à Lusa.

Oscar Herencia: “A evolução dos seguros tem de ir para um conceito de personalização”

O futuro passa pelos “seguros à medida” em que o cliente seleciona um produto ‘umbrella’, que pode ser um seguro de vida, e depois tem um extenso leque de objetivos para criar um produto personalizado, avança o diretor geral da MetLife para a Ibéria.
Comentários