Novos horários da CP não evitam mais atrasos, avarias e supressões

Três dias depois da entrada em vigor da medida que pretende ajustar a oferta à escassez de material circulante para melhorar o serviço prestado houve pelo menos, nove supressões no Algarve e seis no Alentejo.

Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A rede de comboios da CP continua a registar avarias, atrasos e supressões, três dias depois da aplicação dos novos horários, noticia o jornal “Público”, esta quinta-feira, 9 de agosto. Esta medida, que se destina a ajustar a oferta à escassez de material circulante para melhorar o serviço prestado, não trouxe até ao momento melhorias, refere o jornal.

No primeiro dia foram suprimidos na linha do Algarve três comboios devido a avaria das automotoras, às quais se juntaram mais duas na segunda-feira, três na terça-feira e uma durante o dia de quarta-feira, fazendo um total de nove, sendo que em dois destes casos a CP, não disponibilizou autocarros aos passageiros, que tiveram de permanecer nas estações sem terem qualquer tipo de informação para alternativas de viagem.

O mesmo cenário repetiu-se no Alentejo com seis comboios suprimidos na segunda-feira, dia 6 de agosto. Na última terça-feira a CP registou atrasos em 290 comboios num total de 52 horas, com 59% a terem origem em problemas com o material circulante e 15% em infraestruturas.

Ao nível das supressões estes três primeiros dias dos novos horários da transportadora ferroviária pública afetaram 30 comboios, que acumularam um atraso de cerca de dez horas.

Recomendadas

ANACOM celebra 30º aniversário com mudança de imagem do site

A ANACOM vai também levar a cabo outras iniciativas, designadamente, a organização de um concurso de fotografia de âmbito nacional e a abertura ao público do acervo documental da ANACOM.

Venda da Cimpor: como se desfez o ‘império’ cimenteiro em Portugal

A Cimpor chegou a operar em quatro continentes e em 12 países. A empresa extingue-se, mas permanece a marca. E fica a promessa dos turcos em “fazer da Cimpor novamente uma grande empresa”.

Matos Fernandes: “Grande aposta na energia elétrica em Portugal é no solar”

Na conferência foi referido que em 2030 a meta de contribuição da totalidade das fontes de energia renováveis é de 37% na Europa, enquanto para Portugal o objetivo é alcançar 47%.
Comentários