Nuclear: Central de Almaraz deverá fechar em 2028

O novo plano atira o encerramento desta central nuclear para 2028, quatro anos mais tarde que o plano anterior.

A central nuclear de Almaraz tem encerramento definitivo em 2028, de acordo com o jornal espanhol “Cinco Días”. A central espanhola, localizada a 320 quilómetros de Lisboa ou a 160 quilómetros de Portalegre, está equipada com dois reatores nucleares, sendo a maior central da Península Ibérica com 2.010 megawatts de capacidade instalada.

Almaraz, com dois reatores, é a maior central nuclear de Espanha com 2.010 megawatts de capacidade instalada. O primeiro reator será desmantelado em 2027 e o segundo deverá ser no ano seguinte.

O Governo espanhol e as companhias elétricas terão já o calendário fechado, para o desmantelamento de cinco reatores nucleares, divididos por três centrais, na sequência de um acordo alcançado a 28 de janeiro. Endesa, Iberdrola e Naturgy acordaram com a ministra da Transição Ecológica de Espanha, Teresa Ribera, um plano faseado de encerramento de centrais nucleares.

Escreve o “Cinco Días” esta segunda-feira, citando várias fontes, que há um calendário definido, com um plano específico nas mãos da tutela espanhola, das empresas que concessionam essas centrais e da Enresa, a Companhia Nacional de Resíduos Radioativos.

Desta forma, Almaraz, em atividade desde 1983, é a primeira a encerrar definitivamente. Seguem-se os reatores nucleares de Ascó I, em 2029, e Ascó II, em 2030, e de Cofrentes, em 2033.

Segundo um plano divulgado pelo Governo espanhol em novembro, a central nuclear de Almaraz seria fechada em setembro de 2023 e Almaraz II em julho de 2024, conforme avançou a Lusa.

Ler mais
Relacionadas

Nuclear: Central de Almaraz pode ficar aberta por mais 6 anos até 2030

Governo de Madrid diz que o plano para adiar o encerramento de Almaraz é “realista e pragmático”.

Governo espanhol pretende encerrar central nuclear de Almaraz até julho de 2024

O secretário de Estado da Energia espanhol, José Domínguez, indicou numa conferência na quinta-feira que Madrid não deverá prorrogar as licenças para as centrais nucleares quando estas atingirem os 40 anos de vida útil, pelo que os sete reatores que estão a funcionar seriam desligados entre 2023 e 2028.

Almaraz: autarquia espanhola contra encerramento de central nuclear

A presidente da Câmara Municipal de Almaraz (Extremadura espanhola), onde se encontra uma central nuclear com o mesmo nome, manifestou hoje a sua preocupação com as consequências sociais de um eventual encerramento dessa unidade.

Energia: o balanço de uma cimeira histórica em Lisboa

Costa, Macron e Sánchez assinaram contrato de 578 milhões para ligação elétrica entre a Península Ibérica e França, o maior montante alguma vez atribuído a um projeto de infraestruturas energéticas.

Cimeira: Sánchez e Macron estão atualmente “num processo de transição energética”

Pedro Sánchez, primeiro-ministro espanhol e o chefe de Estado de França, Emmanuel Macron, estiveram hoje na segunda Cimeira das Interligações Energéticas, que decorreu hoje em Lisboa.

Movimento Antinuclear propõe simulacro de acidente em Portugal

O simulacro em questão deveria ser realizado junto à fronteira com Espanha, a 100 quilómetros da central nuclear de Almaraz.
Recomendadas

Turcos do grupo Yilport querem Leixões perto da capacidade de Sines

Robert Yildirim, patrão do operador portuário Yilport – o segundo maior europeu -, vai aumentar a capacidade do terminal sul de Leixões para 670 mil TEU e quer ter um milhão de TEU no terminal norte.

Trabalhadores do Montepio temem que instabilidade se reflita nos resultados anuais

A Comissão de Trabalhadores refere-se às “sucessivas alterações” nos órgãos sociais do Banco Montepio. Os trabalhadores queixam-se ainda do modelo de progressão de carreiras e querem ser envolvidos no Plano de Transformação anunciado por Carlos Tavares.

CMVM, Banco de Portugal e ASF na nova autoridade de resolução

A reforma da supervisão financeira inclui a criação de uma autoridade de resolução bancária que vai ter na administração dois membros do BdP, um da CMVM, um da ASF e um quinto, que virá de fora.
Comentários