Nuno Magalhães diz que João Almeida é “quem realmente irrita António Costa”

Antigo líder parlamentar sublinhou que todos os presidentes dos partidos de centro-direita que disputam eleitorado com o CDS-PP têm assento na Assembleia da República.

Nuno Magalhães
Ex-líder do grupo parlamentar do CDS-PP apoiou João Almeida no Congresso de Aveiro

O antigo líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, anunciou o seu voto em João Almeida no congresso que está a decorrer em Aveiro, justificando o seu apoio com o estatuto de deputado do candidato que disputa a sucessão de Assunção Cristas com Francisco Rodrigues dos Santos e Filipe Lobo d’Ávila. “Quem realmente irrita António Costa no Parlamento, onde estão os presidentes de todos os partidos de centro-direita que nos são concorrentes é o João Almeida”, disse Magalhães.

Sublinhando que conhece bem “a inteligência de João Almeida”, “a competência de Filipe Lobo d’Ávila” e “o dinamismo de Francisco Rodrigues dos Santos”, Nuno Magalhães disse estranhar que se tenha ouvido falar muito pouco no congresso de António Costa, “aquele que nos une e que deve ser o nosso adversário”.

 

Recomendadas

Respostas rápidas: saiba o que se diz sobre a vacinação dos políticos

Desde quem tem direito, passando pelos argumentos que a suportam até aos que já rejeitaram receber a vacina, saiba o que se diz sobre a vacinação dos políticos.

Lacerda Sales: Pedido de ajuda internacional “ainda não foi formalizado completamente”

Lacerda Sales relembra que existem mecanismos de cooperação europeia prontos para serem ativados como se assistiu em vários países na primeira vaga, mas que, para já, “enquanto formos tendo respostas e capacidade de responder às necessidades dos portugueses, vamos respondendo”.

Presidenciais: PCP antevê Marcelo mais alinhado à direita e ao bloco central após reeleição

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acredita que Marcelo Rebelo de Sousa vai tentar “reabilitar” a direita e reconduzi-la ao poder, no seu segundo mandato, e sublinha que ao Presidente reeleito cabe-lhe cumprir a Constituição e não “animar a sua subversão”.
Comentários