PremiumNuno Moreira: “Os projetos do ‘hidrogénio verde’ não são megalómanos”

O presidente executivo da Dourogás diz que a dimensão dos projetos de ‘hidrogénio verde’ é adequada às condições de mercado de Portugal e que, a curto prazo, o preço deste combustível tenderá a aproximar-se ao preço do gás natural.

O Grupo Dourogás, líder no Gás Natural Veicular, aposta na produção de ‘hidrogénio verde’ e considera que a descarbonização da economia portuguesa não pode ser feita apenas com a energia elétrica, precisando do “gás natural renovável” e do ‘hidrogénio verde’.

Já é conhecida a seleção de concorrentes aos projetos de investimento na produção do designado ‘hidrogénio verde’. Considera que a produção de ‘hidrogénio verde’ e de combustíveis alternativos associados ao Gás Natural (GN) e ao Gás Natural Veicular (GNV) terá condições para avançar em 2020?
Sim. Parece-me que a agenda de desenvolvimento de gases renováveis, densificada com mais pormenor num dos gases renováveis que é o ‘hidrogénio verde’, tem assistido a desenvolvimentos importantes, desde as iniciativas do PNEC – Plano Nacional de Energia e Clima, que, numa primeira versão assentavam numa eletrificação quase total da economia, mas que a seguir caíram no realismo, exatamente com as respostas dos stakeholders portugueses e de várias instituições, que disseram ao Governo, que provavelmente não seria possível descarbonizar totalmente a economia e o país apenas com a eletricidade, sendo necessário somar à eletricidade gases renováveis e, na linha da frente, o hidrogénio renovável.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Stilwell: “Neste momento não está nos planos tirar EDP Renováveis de bolsa”

Miguel Stilwell de Andrade e a sua equipa foram hoje eleitos por 99% dos acionistas para liderar o grupo EDP até 2023. Com 83% da EDP Renováveis, o presidente considera que ter a EDPR cotada é “positivo”.

Stilwell: EDP vai anunciar no primeiro trimestre novo plano estratégico até 2025

Eleito pelos acionistas esta manhã como CEO para o triénio 2021-2023, Miguel Stilwell de Andrade disse que o novo plano irá ser apresentado no final de fevereiro ou início de março.

Liga Portugal adverte que paragem desportiva poderá significar “colapso económico” das SAD

Sónia Carneiro, diretora executiva da Liga Portugal, realça o valor estimado para o prejuízo dos clubes até ao final da época “ronda os 266 milhões de euros”, decorrentes do facto de não haver público nos estádios e da diminuição do investimento de alguns patrocinadores.
Comentários