O capitalismo da vigilância

Sabemos que há um próspero negócio com base nos nossos dados. Todavia, quando a escolha é ceder ou ficar de fora, o utilizador é, na verdade, “coagido” a autorizar.

Sorria, está a ser vigiado! É possível que não seja novidade para si. E é provável que se lhe perguntarem se valoriza a sua privacidade, a resposta seja afirmativa. No entanto, confrontado com a decisão sobre conceder acesso aos seus dados para poder utilizar certos serviços, conforma-se e diz que sim.

Pode deduzir-se que para si a privacidade não é assim tão importante? Provavelmente não. O que o leva a decidir desta forma é sentir que não tem alternativa e não quer ficar de fora das possibilidades que a tecnologia proporciona. E, assim, os dados sobre o seu percurso na Internet, as suas pesquisas, as suas compras, o seu jogging, os seus trajetos de carro, a sua localização, as suas conversas nas redes sociais, entre outros, são por si cedidos às empresas que lhe prestam esses serviços (às vezes gratuitamente), autorizando-as a cedê-los a outras empresas e até a combinarem todos os dados sobre si.

Sabemos que há um próspero negócio com base nos nossos dados. A valorização de empresas que detêm dados fala por si. A Alphabet, dona da Google, atingiu um valor de um trilião de dólares de capitalização há dias. O Linkedin foi adquirido por vinte e seis biliões de dólares e o WhastApp por dezanove.

Os nossos dados começaram por ser recolhidos para melhorar a publicidade que nos é dirigida. Contudo, a recolha e tratamento de informação sobre nós está hoje muito para além do negócio da publicidade ou até da Internet. Diversos setores da economia acedem, recolhem e utilizam dados sobre os utilizadores de forma a preverem os seus comportamentos.

Durante os últimos vinte anos, a recolha e o tratamento de dados foi feita sem regulação relevante e um conjunto de empresas assimilou substanciais quantidades de informação sobre os seus clientes sem que houvesse leis eficazes nem escrutínio. A recente entrada em vigor do RGPD tem sido vista como um bom começo. Todavia, quando a escolha é ceder ou ficar de fora, o utilizador é, na verdade, “coagido” a autorizar, pelo que esta não resolve o problema de fundo.

Muitos têm pedido a intervenção das autoridades de concorrência. As regras de concorrência permitem endereçar temas de recolha e utilização de dados quando estes suscitam questões de exploração de clientes, exclusão de concorrentes, discriminação de preços, criação de barreiras à entrada, entre outras.

A autoridade da concorrência alemã (Bundeskartellamt) foi pioneira, mas controversa, com a decisão de proibir o Facebook de combinar dados dos utilizadores recolhidos nesta aplicação com os dados recolhidos noutros serviços da empresa, como o WhastApp e o Instagram, e em sítios de Internet de terceiros, sem o consentimento voluntário do utilizador. A decisão foi, entretanto, suspensa por um tribunal alemão, mas o assunto está longe de estar encerrado.

As questões de concorrência não são, porém, as únicas que se colocam e talvez nem sejam as mais complexas. Shoshana Zuboff, da Harvard Business School, publicou recentemente um trabalho (The Age of Capitalism Surveillance) em que alerta para o facto de o negócio da previsão dos nossos comportamentos ir inevitavelmente evoluir para o negócio de os determinar.

Com base nos dados disponíveis sobre os utilizadores, serão criadas as variáveis que os levam a tomar decisões. As implicações são profundas e entrecruzam temas de liberdade económica, mas também de liberdade individual, de autodeterminação e até de funcionamento do sistema democrático.

A publicação de leis, proibições em larga escala e até a criação de impostos sobre a recolha e as transações que envolvam dados têm sido propostas por alguns. O tema é complexo e não é claro qual a resposta mais adequada. Mas é inegável a necessidade de uma reflexão profunda sobre o lugar onde nos leva o caminho da atual recolha massiva de informação.

É certo que há benefícios e eficiências, mas também perigos reais e sistémicos. E a forma como tratarmos do tema agora moldará a sociedade em que viverão as próximas gerações.

Recomendadas

Ainda vamos ter saudades de Angela Merkel

Quando outros líderes vacilaram em questões fundamentais, Merkel esteve quase sempre do lado certo da História, invariavelmente opondo-se aos totalitarismos, aos extremismos, à xenofobia e à intolerância.

O que correu mal no Afeganistão?

O resultado da falta de esclarecimento das elites políticas e militares norte-americanas criou as condições para que prevalecessem os objetivos estratégicos dos talibãs, ganhadores em toda a linha, começando pela retirada das forças estrangeiras.

Identificar o erro e agravá-lo

Antes da aprovação do Portugal 2020, havia consciência do excesso de dispersão com que os fundos do QREN tinham sido aplicados e o novo programa, o PT2020, não só não corrigiu o erro anterior como o agravou.
Comentários