O combate à crise do vírus

À incerteza económica e social junta-se a dificuldade de antecipação da resposta da ‘mão invisível’ do mercado, que condiciona a tomada de decisão no setor privado e público.

Vivemos tempos diferentes, em que uma situação factual de contornos ainda não totalmente definidos deixa antever o início de uma crise económica sem precedentes. Aos governos pede-se que encontrem soluções rápidas que permitam manter o crescimento económico em níveis aceitáveis ou, ao menos, que sejam capazes de evitar quebras abruptas do rendimento.

Trata-se, porém, de um desafio difícil. Esta crise é muito diversa das que a precederam. Não resulta de uma guerra nem decorre diretamente de fatores económicos, mas antes de um efeito secundário de uma crise sanitária à escala global.

Os níveis de consumo sofreram uma quebra acentuada e verifica-se uma alteração significativa quer do investimento quer dos hábitos de consumo. A exaustão dos recursos naturais e o agravamento da desigualdade na distribuição do rendimento e da riqueza exponenciados pelas restrições ao comércio internacional implementadas em tempo de pandemia sevem de estímulo à adoção de medidas económicas de efeito rápido.

Sabemos que estamos num estádio inicial da crise, mas não conseguimos prever o verdadeiro impacto da situação concreta. O cenário económico e social em que o combate a esta crise vai decorrer é ainda muito incerto. A esta incerteza, junta-se a dificuldade de antecipação da resposta da mão invisível do mercado, condicionando não só a tomada de decisão no setor privado, como também no setor público.

Neste cenário em que a um “mal público global” – o vírus – se junta a ameaça de uma crise económica mundial sem precedentes, torna-se evidente que a adoção de medidas de combate a esta outra pandemia tem que permitir estimular o crescimento económico e, ao mesmo tempo, uma utilização racional dos recursos públicos.

Se por um lado o investimento público pode ajudar a repor os níveis de investimento total e contribuir para um menor decréscimo do rendimento, a escolha da receita para o financiar pode condicionar o funcionamento dos multiplicadores orçamentais e fazer perigar o objetivo inicialmente traçado. A resposta está nas políticas a implementar, mas, sobretudo, na escolha da fonte de financiamento.

O recurso às receitas tributárias parece não ser adequado e as receitas creditícias devem ser uma solução supletiva. Porém, deve ser ponderado o recurso à emissão de dívida pública perpétua ou a prazos muito longos, uma vez que se trata de uma solução de baixo impacto em termos de efeito crowding out e cujos malefícios podem ser contornados através da realização de investimentos com rendibilidade elevada.

A ponderar está também a adoção de medidas de desagravamento fiscal que impliquem a diminuição dos custos de cumprimento, dado o elevado impacto do lado do rendimento dos privados e a tendencial neutralidade ao nível do volume de receita pública.

Recomendadas

Por um Portugal de luxo

Ao contrário do que temos feito no passado, apostando nos baixos custos de produção como factor de competitividade, devemos explorar o que temos de inimitável, cobrando preços de monopolista.

O ódio

Para muitos, a resposta racional, estruturada e responsável da direita do sistema não estava a ter ganhos concretos; havia que berrar muito e bem alto. Ventura apareceu disposto a tudo, em troca de apoio e fidelidade total.

Chamem o Professor Porter, já! E chamaram mesmo

Cinco meses depois da minha sugestão, o Conselho de Ministros decidiu atualizar o Relatório Porter nas Grandes Opções do Plano, documento aprovado na semana passada pelo Executivo.
Comentários