O desafio dos ‘franchisings’ em Portugal e no mundo

Como garantir que uma marca vê os seus valores respeitados em culturas globais e, ao mesmo tempo, tão locais? E como lidar com tudo isso num mundo onde a comunicação é fragmentada através de diversos canais?

No filme biográfico “The Founder” (2016), os fundadores da McDonald’s lutam com o empresário Ray Kroc para preservarem o espírito da marca que haviam criado. Pequenos detalhes eram motivo da polémica entre Kroc – que foi o grande impulsionador da cadeia mundial de restaurantes de fast food como franchising – e os irmãos McDonald. Quando se fala em franchising, o desafio da McDonald’s não é diferente do que se observa em várias empresas em Portugal e no mundo: como garantir que franqueados e franqueadores chegam a um consenso sobre como apresentar a marca, padronizar a oferta de produtos e o modus operandi em todo território em que atuam?

O desafio é ainda maior quando falamos de comunicação: como garantir que uma marca vê os seus valores respeitados em culturas globais e, ao mesmo tempo, tão locais? E como lidar com tudo isso num mundo onde a comunicação é fragmentada através de diversos canais? Quando falamos em comunicação dentro do sistema de franchising, já sabemos que é preciso obedecer a um manual que contém orientações sobre como gerir a marca. Na maioria dos casos, o franqueador é quem produz todo o conteúdo e o franqueado apenas adapta para a sua realidade local.

Nas redes sociais, a gestão da comunicação de um franchising pode optar por modelos diferentes. O primeiro deles é o “centralizado”, em que existe uma página principal que reúne todos os conteúdos, sendo que resulta melhor quando os franchisings estão no mesmo país. Por outro lado, temos o modelo “descentralizado”, onde existem várias páginas independentes umas das outras. Este tipo de gestão é indicado para empresas que estão representadas em países distintos, havendo uma maior dificuldade do franqueador em controlar o que está a ser publicado. Já o terceiro modelo chama-se “autonomização padronizada”, existindo mais de uma página, com alguns conteúdos padronizados pela marca, mas com liberdade para publicações locais.

Partilho um caso interessante: a Ultragaz é uma distribuidora de gás engarrafado no Brasil que tem uma presença descentralizada no Facebook, com mais de 700 distribuidoras espalhadas pelo país. Cada uma delas é incentivada a vender as botijas de gás e a criar a própria página naquela rede, ampliando os canais de comunicação da marca regionalmente. Esta é uma vantagem competitiva para a Ultragaz, já que a propagação tem um custo baixo. Por outro lado, a empresa precisa de acompanhar o que todas as distribuidoras publicam, além de corrigir eventuais erros no conteúdo.

Este é um desafio típico de quem tem uma presença descentralizada nas redes sociais. Mas então como se solucionam estes casos? Monitorização é a palavra-chave. Defendo que é possível, com o uso da tecnologia e algumas boas ideias, conseguir ter sucesso sem colocar em risco as marcas que optam por este tipo de modelo. A ideia é que sejam criados relatórios de performance das páginas por regiões, de forma a saber qual o mercado que é mais ativo e entender o que está a acontecer em cada território de forma específica.

Através das ferramentas certas, as marcas ganham a possibilidade de produzir uma mesma publicação para as suas “páginas-sementes”, permitindo um maior controlo do aproveitamento do conteúdo sugerido pelos franqueados. Com a monitorização, também é possível verificar se algum distribuidor cita a concorrência, criar alertas para se antecipar uma crise, acompanhar quais os utilizadoras que mais interagem com a marca e muito mais. Portanto, se é franqueador ou franqueado, veja estes desafios como oportunidades. Com uma boa estratégia, o digital pode ampliar o seu negócio e promover a sua marca. Imagine se os irmãos McDonald tivessem tido esta possibilidade nos anos 50…

Recomendadas

Colapso do registo comercial?

Esta realidade pode não ser tão mediática como as filas matinais para renovar o cartão de cidadão, mas representa um condicionamento relevante à atividade das empresas.

Museu Salazar, sim

A investigação histórica deve servir para gerar debate, em que cada um tem a oportunidade de ser crítico dos acontecimentos. Devemos ter sempre a oportunidade de questionar valores.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.
Comentários