“O eleitorado do CDS e do PCP pode ir para o Chega”, diz Marques Mendes

O analista político Marques Mendes acha que a crítica radical ao Chega de André Ventura é o melhor que pode acontecer àquele partido. Por muito que o seu líder ande pouco apaixonado.

“Não podemos entrar em facilitismo: para ter um ensino de qualidade não podemos tomar decisões só para as estatísticas. Tem de haver um meio-termo equilibrado: um apoio adicional para os alunos com necessidades”, disse o analista político Marques Mendes falando sobre o possível fim das reprovações nas escolas públicas. Mas o analista não considera razoável acabar com o chumbo, apesar de pretender dar-lhe um cariz excecional – apenas como recurso pedagógico, uma espécie de última oportunidade.

Marques Mendes falou também da (pequena) polémica que envolver o tempo ‘de antena’ dos pequenos partidos no Parlamento. “Tiveram mais publicidade, gratuita. Quando ao futuro, acho que o Livre está a viver ainda uma situação de deslumbramento, mas quando passar a novidade, vai ter dificuldades: não se percebe qual é a sua mensagem, mas percebe-se que o Livre é mais radical que o próprio Rui Tavares”.

“A maior surpresa da campanha pela positiva, a Iniciativa Liberal, corre o risco de ser um epifenómeno: não chega ter bons outdoors. Quanto ao Chega [de André Ventura], é o que tem mais possibilidade de crescimento no futuro”, disse Marques Mendes. Até porque “tem em algumas áreas um discurso que importa: contra a corrupção, contra os excessos da política. Os ataques radicais é o melhor que pode acontecer ao Chega”. Para Marques Mendes, André Ventura “não está apaixonado por nenhuma das causas de que fala, mas enquanto estiverem a atacá-lo, só o estão a beneficiar. O eleitorado do CDS e do PCP pode ir para o Chega”, disse.

Quanto às manifestações previstas da polícia, Marques Mendes disse que “o movimento Zero pode perturbar. Não é uma associação, não é um sindicato, têm provavelmente propensão para o radicalismo”. Quanto ao mais, “a polícia tem razão”, dado que o Governo não olhou nunca para a instituição. Mas “se há algum ato de violência, o ter razão perde-se”, recordou.

Marques Mendes falou ainda de Espanha: a coligação PSOE mais o Podemos “não é uma solução estável: como é que se aguentará ao longo dos anos. E não é uma solução consensual entre os socialistas – Filipe Gonzales já se mostrou crítico”. E havia alternativa: “o PP mostrou-se disponível” para encontrar uma solução. “Só por sorte é que dará certo”, concluiu.

Marques Mendes teve ainda oportunidade para criticar João Galamba, secretário de Estado da Energia, sobre a questão do lítio: “devia assumir as suas próprias responsabilidades” em vez de andar a queixar-se do governo de Passos Coelho.

Ler mais
Recomendadas

Bloco de Esquerda questiona Governo sobre impacto da poluição do Aeroporto Humberto Delgado

Os bloquistas querem saber que medidas estão previstas para mitigar os efeitos da poluição atmosférica, numa altura em que se prevê o tráfego aéreo aumente para os 72 aviões por hora, mais do que um por minuto.

PSD quer audição urgente de Mário Centeno no Parlamento devido a alteração nas PPP

Deputados sociais-democratas da Comissão de Orçamento e Finanças querem ouvir ministro das Finanças por estarem preocupados com “diminuição da transparência” na constituição de parcerias público-privadas.

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.
Comentários