PremiumO Estado angolano, a empresa americana e o gestor português

A Aenergy, detida por um português, teve vários contratos cancelados pelo Executivo angolano por alegadas irregularidades. Oempresário diz que sempre cumpriu a lei e já recorreu das decisões.

A Aenergy é uma empresa do setor da energia que construiu mais de três dezenas de centrais de produção de eletricidade em Angola desde 2012. Fundada pelo português Ricardo Machado, a empresa tem sido noticiada no país lusófono nos últimos meses devido a um diferendo que o Estado angolano mantém com a empresa que culminou com o cancelamento de vários contratos no valor de centenas de milhões de euros e do arresto de bens.

“É um ataque desmesurado e cruel. Cancelaram-nos todos os projetos de energia”, diz o fundador e presidente da Aenergy em entrevista ao Jornal Económico.

O Executivo de João Lourenço argumenta que a Aenergy cometeu várias irregularidades na aquisição de quatro turbinas de gás natural.

Ricardo Machado garante que a sua empresa já está a recorrer na justiça de todas as decisões, prometendo recorrer a instâncias angolanas como internacionais.

“Vamos recorrer desta decisão, vamos usar as autoridades norte-americanas e outras instâncias internacionais, incluindo instituições multilaterais. Vamos alertar para o nosso caso”, afirma.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários