PremiumO Estado angolano, a empresa americana e o gestor português

A Aenergy, detida por um português, teve vários contratos cancelados pelo Executivo angolano por alegadas irregularidades. Oempresário diz que sempre cumpriu a lei e já recorreu das decisões.

A Aenergy é uma empresa do setor da energia que construiu mais de três dezenas de centrais de produção de eletricidade em Angola desde 2012. Fundada pelo português Ricardo Machado, a empresa tem sido noticiada no país lusófono nos últimos meses devido a um diferendo que o Estado angolano mantém com a empresa que culminou com o cancelamento de vários contratos no valor de centenas de milhões de euros e do arresto de bens.

“É um ataque desmesurado e cruel. Cancelaram-nos todos os projetos de energia”, diz o fundador e presidente da Aenergy em entrevista ao Jornal Económico.

O Executivo de João Lourenço argumenta que a Aenergy cometeu várias irregularidades na aquisição de quatro turbinas de gás natural.

Ricardo Machado garante que a sua empresa já está a recorrer na justiça de todas as decisões, prometendo recorrer a instâncias angolanas como internacionais.

“Vamos recorrer desta decisão, vamos usar as autoridades norte-americanas e outras instâncias internacionais, incluindo instituições multilaterais. Vamos alertar para o nosso caso”, afirma.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

Epson Europa vê Portugal como “mercado totalmente estratégico”

Raúl Sanahuja, responsável de Relações Públicas e Comunicação da Epson, considera que as empresas portuguesas são mais “ousadas” e “lançadas” na integração de tecnologia de impressão.

“Problemas no setor de aviação convertem-se em oportunidades”, considera CEO da EuroAtlantic

Quais os grandes desafios que o setor da aviação vai ter que ultrapassar? Eugénio Fernandes, CEO da EuroAtlantic, esclarece que a empresa funciona em contraciclo com o mercado e que os problemas no setor convertem-se em oportunidades. Quanto aos problemas, este responsável aponta a falta de pessoal como questão a ultrapassar.

PremiumPartner da Peugeot lidera vendas nacionais da marca

Jean-Philippe Imparato explicou ao Jornal Económico a evolução global da marca no ano passado, com uma quebra de 8,8% registada nas suas vendas mundiais (excluído o mercado do Irão).
Comentários