O Euro 2021, ai desculpe… 2020

Manter o nome do torneio tem o seu quê de estranho, pois lembra-nos que ainda vivemos numa espécie de ‘loop’ existencial, presos numa fase transitória da vida, entre a pandemia e o pós-pandemia.

O Euro 2020 começa hoje, a 11 de junho de 2021. Não me estou a queixar, estou contente que arranque um evento que me vai oferecer horas de entretenimento e, quiçá, com alguma sorte e competência, até o mesmo sabor de vitória que a inesquecível final de Paris nos trouxe em 2016.

A manutenção do ano passado no nome do torneio percebe-se pela lógica institucional, mas não deixa ser algo estranho e, principalmente, lembra-nos que ainda vivemos numa espécie de loop existencial, presos numa fase transitória da vida, entre a pandemia e o pós-pandemia.

A vida é sempre assim, o presente não é mais do que uma fase entre o que aconteceu e o que vem a seguir, mas há momentos em que isso nos parece mais relevante.

Para os habitantes de Lisboa, Braga, Vale de Cambra e Odemira, a travagem do desconfinamento é a prova disso mesmo. Satisfeitos com a marcha do regresso a uma certa ‘normalidade’, somos confrontados com a dura realidade: a pandemia ainda não foi embora e qualquer deslize coletivo ou individual pode resultar num revés que nos obriga a ficar presos no tempo. A medida é necessária, pois a batalha é longa e tem de ser gerida, mas prolonga este estado de limbo bizarro e frustrante que se sente em tantas áreas da nossa vida.

Na economia, por exemplo, os banqueiros centrais estão presos entre a retirada dos estímulos numa altura de franca recuperação e inflação e o medo de comprometerem a retoma, e de pôr os nervos dos agentes do mercado à prova. Os governantes, como o ministro das Finanças sublinha em entrevista ao Jornal Económico, têm a difícil tarefa de passar de medidas de emergência para medidas de recuperação.

No turismo e nos serviços, os donos das empresas têm de navegar não só as dinâmicas das regras internas mas também o pantone de cores que dita a chegada, ou não, de clientes externos.

A nível social, sente-se que as pessoas têm enormes dúvidas sobre como devem comportar-se nesta fase ‘do meio’. As regras e as recomendações existem, mas não impedem que nos questionemos com quem, onde e como devemos estar. Tal como no primeiro desconfinamento, existem mais dúvidas do que certezas.

Em termos de trabalho, muitos estão ainda na fronteira entre o ‘tele’ e o presencial. O futuro vai muito provavelmente trazer um mix dessas duas modalidades, mas tendo passado de uma para outra tão repentinamente e depois em casa durante tanto tempo, o regresso é fonte de ansiedade, especialmente por termos de nos adaptar novamente, agora a uma inédita versão híbrida.

A aceleração dos planos de vacinação é muito bem-vinda e os esforços dos que os organizam são louváveis, mas persistem dúvidas sobre a eficácia a médio prazo, especialmente quando ouvimos as palavras mais assustadoras da atualidade: ‘nova variante’.

Ao nível da política interna teremos pela frente, na rentrée, as renhidas e ruidosas lutas autárquicas e das negociações para a aprovação do Orçamento do Estado de 2022. Antes disso, porém, espera-nos um verão de gestão pandémica, tanto por parte dos políticos, como por cada um de nós, individualmente.

É transitório, sim, porque com confiança, organização e solidariedade, há de passar. As ferramentas, aliás, que a Seleção precisa para passar o ‘grupo da morte’ no Euro.

Recomendadas

Ainda vamos ter saudades de Angela Merkel

Quando outros líderes vacilaram em questões fundamentais, Merkel esteve quase sempre do lado certo da História, invariavelmente opondo-se aos totalitarismos, aos extremismos, à xenofobia e à intolerância.

Identificar o erro e agravá-lo

Antes da aprovação do Portugal 2020, havia consciência do excesso de dispersão com que os fundos do QREN tinham sido aplicados e o novo programa, o PT2020, não só não corrigiu o erro anterior como o agravou.

A nação do Estado

A espera por soluções macroeconómicas de fundo tem sobretudo resultado no desperdício de tempo precioso para pôr em prática políticas sociais corretivas. Urge promover uma nação mais igualitária.
Comentários