O fim dos Certificados?

As recentes declarações de Cristina Casalinho parecem telegrafar o final dos Certificados de Tesouro.

Os primeiros Certificados de Aforro foram emitidos no final de 1960, com o objetivo de fomentarem a poupança das famílias. Deste então, os Certificados de Aforro tiveram quatro séries e surgiram variações como os Certificados de Tesouro, CT – 10 anos, CTPM e CTPC.

Com o passar do tempo, o peso destes instrumentos na dívida pública foi aumentando e chega agora aos 11%, face aos 5% de outros países, segundo a presidente do IGCP. Cristina Casalinho vê “pouca margem” para este peso aumentar e considera que “os Certificados são produtos muito caros para o Tesouro”, numa altura em que Portugal consegue emitir dívida a maturidades compráveis a cerca de metade do custo.

O sucesso dos Certificados está, naturalmente, ligado à sua remuneração – especialmente no caso dos Certificados de Tesouro – e ao facto de serem produtos de capital garantido pelo Estado. Atualmente, os Certificados estão a ser encarados com menos interesse por parte do Tesouro, mas foram importantes em momentos mais difíceis de captação de recursos, nomeadamente nos anos da “crise da dívida”.

As declarações de Cristina Casalinho parecem telegrafar o final dos Certificados de Tesouro, tanto mais que existe outro instrumento mais ligado às condições de mercado – as OTRV. Perante um contexto em que os depósitos têm vindo a subir, ainda que praticamente sem render juros, os Certificados do Tesouro comparam demasiadamente bem com a concorrência. Provavelmente, os Certificados de Aforro (atualmente a “pagar” em torno de 0,5% brutos) não deixarão de existir, mas não estão imunes à alteração das condições de remuneração.

Recomendadas

Wall Street fecha semana no verde com perspetiva de estímulo à economia a sobrepor-se à fraca criação de emprego

Apesar dos fracos números da criação de emprego em novembro, os mercados animaram-se com as declarações de Nancy Pelosi sobre um possível acordo bipartidário para um pacote de estímulos à economia americana, isto depois do líder do Senado ter admitido o mesmo na quinta-feira.

Bolsa de Lisboa fecha em alta numa sessão animada em toda a Europa

Galp dispara mais de 5% com subida do preço do petróleo, após o anúncio de um acordo da OPEP+ em suavizar os aumentos previstos de produção de crude. O BCP fechou em alta de mais de 2% e já está acima dos 12 cêntimos.

Vencedor de concurso da Católica Porto Investment Club alerta que CBDC são “questão de segurança nacional”

Nuno Loureiro, vencedor do concurso Champion Chip 2020, organizado pela Católica Porto Investment Club, alerta que a infraestrutura tecnológica que suporta moedas digitais emitidas por um banco central (CBDC) poderão ser alvo de ataques cibernéticos de outros Estados.
Comentários