O Governador vai nu?

No conto de Hans Christian Andersen, dois alfaiates aldrabões convencem o Rei a usar um traje novo, dizendo que só aqueles que são incompetentes, estúpidos ou desadequados para as suas posições irão reparar que é invisível.

Na história do dinamarquês, só quando uma criança grita “o Rei vai nu!” é que o monarca apercebe-se da tramóia, mas ainda prolonga a procissão.

O ‘conto’ dos empréstimos ruinosos da Caixa Geral de Depósitos e do papel do atual governador do Banco de Portugal faz lembrar esta antiga história infantil. Não sabemos se Carlos Costa participou ou não na tomada de decisões para conceder valores avultados a empresários, que podem não ser vigaristas como os alfaiates do conto, mas são (no mínimo) pessoas com perfil creditício duvidoso, como se veio provar. O próprio Governador diz que não. Mas o problema é que, dados os mecanismos atuais, não vamos poder verificar isso na instância natural, pois como o JE_noticiou na semana passada, Carlos Costa vai escapar aos testes de idoneidade aos ex-gestores da CGD.

Essa incapacidade de verificação deixa o Governador despido de uma defesa sólida, algo que poderá afetar a percepção interna e externa da instituição que lidera.

Esta semana vimos vários atores políticos emitir o alerta. Se um dos três inquéritos (do Ministério Público, do Governo ou do Parlamento) concluir que Carlos Costa participou nas decisões ruinosas, deve sair pelo próprio pé.

Por enquanto, tal como o Rei no conto de Andersen, apesar dos alertas, o Governador não abandona a procissão.

Recomendadas

Matérias (muito) perigosas

Motoristas de matérias perigosas. Confesso que o termo me fez logo imaginar uma frota, liderada por Lex Luthor, de camiões a levarem a perigosa kriptonite para causar danos em Metropolis e à revelia do Super-Homem. Antes que me acusem de brincar com assuntos sérios, esclareço já que, passados esses momentos de deriva criativa, transitei para […]

A democratura

Para alguns, a Hungria é já hoje uma espécie de “democratura”, isto é, uma democracia com fortes laivos de ditadura. Por tudo o que isso significa, é algo que envergonha a Europa.

Amnésia

Ninguém parece querer estar associado ao que era um inevitável programa de ajustamento. Nem os portugueses que o originaram, nem aqueles que o aplicaram, e muito menos os que, a partir da CE, o supervisionaram e impuseram.
Comentários