O Governador vai nu?

No conto de Hans Christian Andersen, dois alfaiates aldrabões convencem o Rei a usar um traje novo, dizendo que só aqueles que são incompetentes, estúpidos ou desadequados para as suas posições irão reparar que é invisível.

Na história do dinamarquês, só quando uma criança grita “o Rei vai nu!” é que o monarca apercebe-se da tramóia, mas ainda prolonga a procissão.

O ‘conto’ dos empréstimos ruinosos da Caixa Geral de Depósitos e do papel do atual governador do Banco de Portugal faz lembrar esta antiga história infantil. Não sabemos se Carlos Costa participou ou não na tomada de decisões para conceder valores avultados a empresários, que podem não ser vigaristas como os alfaiates do conto, mas são (no mínimo) pessoas com perfil creditício duvidoso, como se veio provar. O próprio Governador diz que não. Mas o problema é que, dados os mecanismos atuais, não vamos poder verificar isso na instância natural, pois como o JE_noticiou na semana passada, Carlos Costa vai escapar aos testes de idoneidade aos ex-gestores da CGD.

Essa incapacidade de verificação deixa o Governador despido de uma defesa sólida, algo que poderá afetar a percepção interna e externa da instituição que lidera.

Esta semana vimos vários atores políticos emitir o alerta. Se um dos três inquéritos (do Ministério Público, do Governo ou do Parlamento) concluir que Carlos Costa participou nas decisões ruinosas, deve sair pelo próprio pé.

Por enquanto, tal como o Rei no conto de Andersen, apesar dos alertas, o Governador não abandona a procissão.

Recomendadas

Saber desligar

O telemóvel preenche todos os momentos da nossa vida. Ao ponto de termos medo de perder o telemóvel como se perdêssemos uma bússola da vida. Como será a dependência digital nos próximos 20 anos?

Três mil

A grande diferença na próxima crise são os inúmeros avisos que os clientes têm agora de assinar e que isentam de qualquer culpa as instituições financeiras, garantindo que nenhum “contribuinte” pagará a crise.

Polémicas nacionais

As reações ao artigo da historiadora Fátima Bonifácio trouxeram uma certeza: criámos um ambiente social de tolerância, no qual o problema do racismo é levado a sério.
Comentários