“O Montijo vai acontecer”, garante presidente do Conselho de Administração da ANA

José Luis Arnaut acusa o governo de atrasar a decisão da construção do aeroporto no Montijo mas mantém-se otimista garantindo que existem “condições objectivas para que o Montijo possa acontecer”.

O presidente do Conselho de Administração da ANA deixou claro que o aeroporto do Montijo vai avançar e que apesar de existirem correcções a fazer “o relatório da APA cria condições objectivas para que o Montijo possa acontecer”.

A garantia foi dada, este sábado, numa entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios e onde José Luís Arnaut explicou haver um grande empenho de todos os intervenientes para que a obra seja concretizada. “O Montijo vai acontecer”, afirmou.

José Luís Arnaut não deixa no entanto de criticar algumas algumas das medidas apontadas no relatório da APA que qualifica como “absurdas”. Ainda assim garante total empenho da Vinci na analise das medidas e total respeito pela protecção do ambiente. Lembra contudo que os custos dessas medidas são as companhias aéreas e os passageiros que vão pagar.

O presidente do conselho apontou dedos ao governo por atrasarem a decisão de fazer avançar a operação no Montijo, responsabilizando diretamente o anterior ministro do Planeamento e Infraestruturas pelo atraso: “O ministro Pedro Marques andou a empatar sem tomar uma decisão”. Em contrapartida elogia a actuação de Pedro Nuno Santos: “Em três meses com o ministro Pedro Nuno Santos recuperamos três anos perdidos”.

Recomendadas

Autárquicas: Rio diz que eleições deste ano são muito importantes para o PSD

O líder dos sociais-democratas, que falava no Porto na cerimónia descrita em agenda como de apresentação do programa do candidato do PSD a este concelho, garantiu que a direção nacional do partido “empenhou-se a sério na escolha dos candidatos às autarquias, em todas as autarquias sem exceção”, frisando que “um bom candidato não é apenas aquele que é conhecido do grande público porque aparece na televisão”.

PSD quer ouvir António Mendonça Mendes e diretora-geral da AT sobre “ato persecutório” no Fisco

Em causa está a abertura de um inquérito disciplinar ao trabalhador do Fisco que denunciou o “negócio ruinoso” da venda das barragens da EDP no Douro. Os social-democratas consideram que se trata de um “ato de natureza persecutória” e pedem esclarecimentos ao Governo e à Autoridade Tributária e Aduaneira.

Parlamento aprova regime jurídico de criação, modificação e extinção de freguesias

A nova lei-quadro vai permitir às freguesias agregadas em 2012 com a chamada ‘lei Relvas’ reverter o processo e define os critérios e procedimentos a cumprir para a criação, modificação e extinção de uma freguesia. O CDS-PP votou contra e o BE, PCP, PEV, Chega e a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira abstiveram-se. 
Comentários